Hoje compartilho com você um dos meus textos favoritos do Espírito de Profecia, tirado do livro Atos dos Apóstolos, capítulo 55. Para mim, este texto expressa o equilíbrio que precisamos ter em nossa busca pela santificação – a dependência total de Deus. Toda vez que me desvio disso, leio esse capítulo novamente para voltar ao rumo certo. Que Deus lhe abençôe!


“A verdadeira santificação vem por meio da operação do princípio do amor. “Deus é amor e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele”. 1 João 4:16. A vida daquele em cujo coração Cristo habitar, revelará a piedade prática. O caráter será purificado, elevado, enobrecido e glorificado. A doutrina pura estará entretecida com as obras de justiça; os preceitos celestiais misturar-se-ão com as práticas santas.
Os que desejam alcançar a bênção da santificação têm de primeiro aprender o que seja a abnegação. A cruz de Cristo é a coluna central sobre que repousa o “peso eterno de glória mui excelente”. 2 Coríntios 4:17. “Se alguém quiser vir após Mim”, disse Jesus, “renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-Me”. Mateus 16:24. É o perfume de nosso amor aos semelhantes o que revela nosso amor a Deus. É a paciência no serviço, o que traz repouso ao coração. É pelo humilde, diligente e fiel labor que se promove o bem-estar de Israel. Deus sustém e fortalece aquele que está disposto a seguir o caminho de Cristo.
A santificação não é obra de um momento, de uma hora, de um dia, mas da vida toda. Não se alcança com um feliz vôo dos sentimentos, mas é o resultado de morrer constantemente para o pecado, e viver constantemente para Cristo. Não se pode corrigir os erros nem apresentar reforma de caráter por meio de esforços débeis e intermitentes. Só podemos vencer mediante longos e perseverantes esforços, severa disciplina e rigoroso conflito.
Não sabemos quão terrível será nossa luta no dia seguinte. Enquanto reinar Satanás, teremos de subjugar o próprio eu e vencer os pecados que nos assaltam; enquanto durar a vida não haverá ocasião de repouso, nenhum ponto a que possamos atingir e dizer: “Alcancei tudo completamente.” A santificação é o resultado de uma obediência que dura a vida toda. Nenhum dos apóstolos e profetas declarou jamais estar sem pecado. Homens que viveram o mais próximo de Deus, que sacrificariam a vida de preferência a cometer conscientemente um ato mau, homens a quem Deus honrou com divina luz e poder, confessaram a pecaminosidade de sua natureza. Eles não puseram a sua confiança na carne, nem alegaram possuir justiça própria, mas confiaram inteiramente na justiça de Cristo.



Assim será com todos que contemplarem a Cristo. Quanto mais nos aproximarmos de Jesus, e quanto mais claramente distinguirmos a pureza de Seu caráter, tanto mais claro veremos a excessiva malignidade do pecado, e tanto menos nutriremos o desejo de nos exaltar. Haverá um contínuo anelo de ir em direção a Deus, uma contínua, sincera, contrita confissão de pecado e humilhação do coração perante Ele. A cada passo para frente em nossa experiência cristã, nosso arrependimento se aprofundará. Saberemos que nossa suficiência está em Cristo unicamente, e faremos nossa a confissão do apóstolo: “Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum”. Romanos 7:18. “Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”. Gálatas 6:14.
Que os anjos relatores escrevam a história das santas lutas e pelejas do povo de Deus; que anotem as orações e lágrimas; mas não permitamos que Deus seja desonrado pela declaração de lábios humanos: “Estou sem pecado; sou santo.” Lábios santificados nunca pronunciarão palavras de tamanha presunção.
O apóstolo Paulo havia sido arrebatado até o terceiro Céu, e tinha visto e ouvido coisas que não poderiam ser proferidas; contudo, sua humilde afirmação foi: “Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo. […]”. Filipenses 3:12. Que os anjos do Céu escrevam as vitórias de Paulo ao combater o bom combate da fé. Que o Céu se rejubile em sua marcha firme rumo do Céu e que, ao manter ele em vista o prêmio, considere tudo o mais como sem valor. Os anjos se regozijam ao contar seus triunfos, mas Paulo não se vangloria de suas conquistas. A atitude de Paulo é a atitude que cada seguidor de Cristo deve tomar ao prosseguir na luta pela coroa imortal.
Que os que se sentem inclinados a fazer alta profissão de santidade se contemplem no espelho da lei de Deus. Ao verem o vasto alcance de seus reclamos, e compreenderem que ela atua como perscrutadora dos pensamentos e intenções do coração, não se presumirão de estar sem pecado. “Se dissermos que não temos pecado”, diz João não se excluindo de seus irmãos, “enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós”. “Se dissermos que não pecamos, fazemo-Lo mentiroso, e a Sua palavra não está em nós.” “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça”. 1 João 1:8, 10, 9.
Há os que professam possuir santidade, que se declaram santos do Senhor, que reclamam como um direito a promessa de Deus, ao mesmo tempo que recusam obediência aos mandamentos de Deus. Esses transgressores da lei reclamam tudo quanto é prometido aos filhos de Deus; mas isso é presunção da parte deles, pois João nos diz que o verdadeiro amor a Deus se revelará na obediência a todos os Seus mandamentos. Não basta crer na teoria da verdade, fazer uma profissão de fé em Cristo, crer que Jesus não é um impostor, e que a religião da Bíblia não é uma fábula artificialmente composta. “Aquele que diz: Eu conheço-O”, escreveu João, “e não guarda os Seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a Sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nEle”. 1 João 2:4, 5. “E aquele que guarda os Seus mandamentos permanece em Deus, e Deus, nele”. 1 João 3:24.
João não ensinou que a salvação devia ser adquirida pela obediência, mas que a obediência é fruto da fé e do amor. “E bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados”, disse, “e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca; qualquer que peca não O viu nem O conheceu”. 1 João 3:5, 6. Se estivermos em Cristo, se o amor de Deus estiver no coração, nossos sentimentos, pensamentos e ações estarão em harmonia com a vontade de Deus. O coração santificado está em harmonia com os preceitos da lei de Deus.
Muitos há que, embora procurando obedecer aos mandamentos de Deus, têm pouca paz ou alegria. Essa falha em sua experiência é o resultado da falta de exercitar a fé. Andam como se pisassem uma terra salina, um ressequido deserto. Pedem pouco, quando deviam pedir muito, pois não há limite para as promessas de Deus. Tais pessoas não representam corretamente a santificação que vem mediante a obediência à verdade. O Senhor quer que todos os Seus filhos e filhas sejam felizes, obedientes e desfrutem paz. Mediante o exercício da fé o crente toma posse dessas bênçãos. Pela fé, cada deficiência de caráter pode ser suprida, todas as contaminações purificadas, cada falta corrigida e toda boa qualidade desenvolvida.
A oração é ordenada pelo Céu como meio de alcançar êxito no conflito com o pecado e no desenvolvimento do caráter cristão. As influências divinas que vêm em resposta à oração da fé produzirão no coração do suplicante tudo o que ele pleiteia. Podemos pedir o perdão do pecado, o Espírito Santo, a natureza cristã, sabedoria e fortaleza para Sua obra, todos os dons, enfim, que Ele prometeu, e a promessa é: “Recebereis.”
Foi no monte com Deus que Moisés contemplou o modelo da maravilhosa construção que devia ser o lugar de habitação da glória do Senhor. É no monte com Deus — no lugar secreto da comunhão — que devemos contemplar Seu glorioso ideal para a humanidade. Em todas as eras, por meio de comunicação com o Céu, Deus tem realizado Seu propósito por Seus filhos pelo gradual desdobrar em seu espírito das doutrinas da graça. Sua maneira de repartir a verdade é ilustrada nas palavras: “Como a alva será a Sua saída”. Oséias 6:3. Aquele que se coloca onde Deus o possa iluminar, avança, por assim dizer, da obscuridade parcial da aurora para o pleno brilho do meio-dia. A verdadeira santificação significa perfeito amor, perfeita obediência, perfeita conformidade com a vontade de Deus. Devemos santificar-nos para Deus mediante a obediência à verdade. Nossa consciência deve ser expurgada das obras mortas para servir ao Deus vivo. Não somos ainda perfeitos; mas é nosso privilégio desvencilharmo-nos dos obstáculos do eu e do pecado e prosseguir para a perfeição. Grandes possibilidades, altas e santas conquistas são colocadas ao alcance de todos.
A razão por que muitos nesta época não fazem maiores progressos na vida religiosa é que interpretam a vontade divina como sendo apenas o que eles gostariam de fazer. Presumem estar em conformidade com a vontade de Deus, quando na verdade estão seguindo seus próprios desejos. Esses não têm conflito com o eu. Há outros que, por algum tempo, são bem-sucedidos na luta contra seus desejos egoístas por prazeres e comodidades. São sinceros e fervorosos, mas cansam-se do contínuo esforço, do morrer cada dia, da incessante labuta. A indolência parece convidativa, repulsiva a morte do eu; fecham os olhos sonolentos e caem sob a tentação em vez de resistir-lhe.
As diretrizes traçadas na Palavra de Deus não deixam lugar para compromisso com o mal. O Filho de Deus Se manifestou para atrair a Si todos os homens. Não veio para embalar o mundo em seu sono, mas para indicar o caminho estreito em que todos devem seguir para alcançar, afinal, os portais da cidade de Deus. Seus filhos precisam seguir por onde Ele abriu caminho; seja qual for o sacrifício do bem-estar ou condescendência egoísta, seja qual for o custo do trabalho ou sofrimento, precisam manter constante batalha contra o eu.
O maior louvor que os homens podem apresentar a Deus é tornarem-se consagrados instrumentos por cujo intermédio possa Ele operar. O tempo está passando rapidamente para a eternidade. Não retenhamos de Deus aquilo que é Sua propriedade. Não Lhe recusemos aquilo que, embora não possa ser dado sem mérito, não pode ser negado sem ruína. Se Ele pede o inteiro coração; devemos dar-Lhe; é Seu, tanto pela criação como pela redenção. Se Ele pede o intelecto; devemos dar-Lhe; é Seu. Ele pede também o nosso dinheiro; não devemos reter-Lhe; é Seu. “Não sabeis que […] não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço”. 1 Coríntios 6:19, 20. Deus requer a homenagem da vida santificada, que, pelo exercício da fé que atua por amor se tenha preparado para servi-Lo. Ele ergue perante nós o mais alto ideal, a própria perfeição. Pede que estejamos completa e absolutamente por Ele neste mundo, como Ele está por nós na presença de Deus.
“Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação”. 1 Tessalonicenses 4:3. É essa também a nossa vontade? Nossos pecados podem ser como uma montanha diante de nós; mas se humilharmos o coração, e confessarmos nossos pecados, confiando nos méritos de um Salvador crucificado e ressurgido, Ele nos perdoará e purificará de toda a injustiça. Deus requer de nós inteira conformidade com Sua lei. Essa lei é o eco de Sua voz dizendo-nos: Mais santidade, sim, mais santidade ainda. Temos de buscar a plenitude da graça de Cristo, permitir que nosso coração se encha de intenso desejo por Sua justiça, cujo efeito a Palavra de Deus declara ser paz, e cuja operação é repouso e segurança para sempre.
À medida que nossa alma anelar a Deus, mais e mais encontraremos as infinitas riquezas de Sua graça. Ao contemplarmos essas riquezas, passaremos a possuí-las, e revelaremos os méritos do sacrifício do Salvador, a proteção de Sua justiça, a plenitude de Sua sabedoria, e Seu poder de nos apresentar diante do Pai “imaculados e irrepreensíveis”. 2 Pedro 3:14.”
Transformado pela Graça

Uma ideia sobre “Transformado pela Graça

  • 19 de Março de 2012 às 15:24
    Permalink

    Selma, podemos lhe enviar pelo correio e você paga no banco. não tenho seu e-mail, então entre em contato por e-mail (rutebazan@projetorestaure.org ou info@projetorestaure.org) para acertarmos a informação de pagamento. Abraço, Rute.

    Responder
  • 18 de Março de 2012 às 02:36
    Permalink

    Oi Rute.Tentei comprar o DVD do filme A Mensagem,mas nas 2 tentativas os e-mails voltaram.Tenho interesse em comprar 1 DVD
    através de depósito,pois não tenho acesso às Lojas Sels.Obriga-da pelo retorno que der e um a boa semana!

    Responder
  • 14 de Março de 2012 às 23:19
    Permalink

    Olá Rute!O texto me trouxe algumas lembranças sobre como minha vida e de tantos outros que buscam a Deus têm suas vidas transformadas.E isso é real.E isso foge a qq explicação científica,não é? Mas o poder está somente Nele.Numa sociedade q o eu está em alta,a abnegação ao ego parece loucura ao olhos daqueles q não creem nesta Fonte Maior.Pois é Deus q nos habilitará a vencermos nossas fa-
    lhas,atravessarmos tempestades,e principal- mente colocar em nossos corações um amor capaz de destruir a vontade do eu.Abraço,Rute.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *