Agora que tenho filhos adolescentes estou estudando a lição dos adolescentes e estou aprendendo com Paulo como ele ensinava suas igrejas (que eram para ele como filhos) a pensarem. Algum tempo atrás meus filhos estudaram as histórias de Paulo buscando lições para a vida deles eu aprendi muitas lições para minha vida de mãe nas mesmas histórias. Isso não é maravilhoso? A inspiração é um tesouro escondido mesmo.

A maior parte desses conceitos foram tirados do Livro Atos dos Apóstolos, Capítulo 35 – “A Carta aos Tessalonicenses.”

Para os que se lembram dos princípios de como Jesus tratava seus discípulos vão perceber que muitos deles se repetem.

A primeira coisa que quero chamar a atenção é que Paulo tratava cada igreja (filho) de maneira individual. Para cada igreja era uma carta diferente, personalizada. Para os Coríntios foi suave na carta e ainda assim ficou com receio de ter ofendido a eles. Com os Gálatas foi bem mais duro (“Ó insensatos gálatas…” Gal 3:1). Com os Tessalonicenses tinha que repetir as instruções de novo e de novo…

Quantos princípios desses grande professor para nós pais! Vamos analisar alguns.

1. Paulo falava palavras de apreço e encorajamento:

“Irmãos”, escreveu, “ficamos consolados acerca de vós, em toda a nossa aflição e necessidade, pela vossa fé, porque agora vivemos, se estais firmes no Senhor. Porque, que ação de graças poderemos dar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus…” Atos dos Apóstolos, 255.

O apóstolo os encorajou a não se cansarem de fazer o bem. Atos dos Apóstolos, 267.

Princípio 1: Deixar os filhos saberem das alegrias que eles trazem ao nosso coração por escolherem seguir a Jesus.

2Paulo Repetia o ensinamento

“Ele lhes havia falado antes dessas coisas;  mas nesse tempo a mente deles tinha dificuldade em compreender doutrinas que pareciam novas e estranhas”

Princípio 2: Não cansar de repetir o ensino.

3. Paulo se sentia responsável pela vida espiritual de suas igrejas:

“O apóstolo sentia-se responsável em grande medida pelo bem-estar espiritual dos que se convertiam por seus labores. Seu desejo era que crescessem no conhecimento do único verdadeiro Deus, e de Jesus Cristo, a quem Ele enviou.” Atos dos Apóstolos, 262

“Não vos lembrais”, interrogava Paulo, “de que estas coisas vos dizia quando ainda estava convosco?” II Tess. 2:5. Atos dos Apóstolos, 266.

Princípio 3: Ter o senso de que a vida espiritual de nossos filhos está sob nossa responsabilidade. Prover para eles tudo necessário para o crescimento espiritual: Bíblia, lição, hinário, oração, tempo, amigos que sejam boas influências, alimentação apropriada, horários apropriados, etc.

4. Paulo tirava tempo para orar com eles.

“Não raro, em seu ministério, reunia-se ele com pequenos grupos de homens e mulheres que amavam a Jesus, inclinando-se com eles em oração, pedindo a Deus para lhes ensinar como se manterem em íntima comunhão com Ele.” Atos dos Apóstolos, 262

Princípio 4: Tirar tempo para orar com os filhos.

5. Paulo tomava conselho as igrejas

Muitas vezes tomava conselho com eles sobre os melhores métodos de dar a outros a luz da verdade evangélica. Atos dos Apóstolos, 262.

Princípio 5: Tirar tempo para ouvir os filhos, e se for o caso, ouvir seus conselhos.

6. Quando Paulo estava longe da presença deles, os mantinha em oração

“Muitas vezes, quando separados daqueles por quem assim havia trabalhado, suplicava a Deus para que os guardasse do mal, e os ajudasse a se manterem como missionários ativos e fervorosos.” Atos dos Apóstolos, 262.

Princípio 6: Manter os filhos em oração quando estão se estiverem por algum tempo separados de nós fisicamente.

7. Paulo os elogiava

De novo expressou sua confiança na integridade deles, e gratidão por sua firme fé, e pelo abundante amor de uns para com outros, bem como para com a causa do         Mestre. Disse-lhes que os apresentava às outras igrejas como exemplo de paciente, perseverante fé que valorosamente suporta perseguição e tribulação. Atos dos Apóstolos, 264.

Princípio 7: Elogiar a atitude dos filhos em serem fiéis a Deus. (Lembremos que elogio é diferente de adulação)

8. Paulo dirigia a mente deles para o futuro glorioso

“…dirigia-lhes o pensamento para o tempo da segunda vinda de Cristo, quando o povo de Deus descansaria de seus cuidados e perplexidades. Atos dos Apóstolos, 264.

Principio 8: Dirigir a mente de nossos filhos para a segunda vinda de Jesus, e a nossa vida futura no céu.

9. Paulo deixava claro o que ele esperava deles

“Estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa. Atos dos Apóstolos, 267.

“Ora o Senhor encaminhe os vossos corações na caridade de Deus, e na paciência de Cristo.” II Tess. 3:5.

Princípio 9: Deixar claro para nossos filhos o que esperamos deles.

10. Paulo trazia palavras de segurança, conforto e certeza

“Mas fiel é o Senhor, que vos confortará, e guardará do maligno.” Atos dos Apóstolos, 267.

Princípio 10: Ter palavras de segurança, conforto e certeza para nossos filhos.

11. Paulo os encorajava e se colocava como exemplo

Apontou-lhes seu próprio exemplo de diligência em assuntos temporais mesmo enquanto trabalhava com incansável zelo na causa de Cristo.

Princípio 11: Poder dizer para os filhos que somos um exemplo. “Pode copiar o papai e mamãe!”

12. Paulo reprovou os que estavam com preguiça

Reprovou os que se haviam entregue ao despertamento irrazoável e sem objetivo, e mandou que estes “trabalhando com sossego” comessem “o seu próprio pão”. II Tess. 3:12.

Princípio 12: Reprovar a preguiça.

13. Paulo ordenou que se separassem das más influências. 

Ordenou à igreja que separasse de sua comunhão qualquer pessoa que persistisse em desrespeitar as instruções dadas pelos ministros de Deus. “Todavia”, acrescentou, “não o tenhais como inimigo, mas admoestai-o como irmão.” II Tess. 3:15. Atos dos Apóstolos, 268.

No capítulo sobre os Efésios nos conta que Paulo também se retirou da sinagoga com seus alunos (Efésios) e foi ensinar na Escola de Tirano devido as más influências

Princípio 13: Retirar os filhos das más influências.

Que possamos nos alegrar e pedir ao Senhor forças para continuar nossa caminhada rumo ao lar juntamente com nossos filhos.

Angelica Gomide

Princípios da Educação Aprendidos com Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *