“Para os homens é impossível, mas não para Deus, porque para Deus todas as coisas são possíveis.” Marcos 10:2

Eu estava completamente irritada comi­go mesma. Tinha falhado novamente! Dessa vez foi comer demais entre as refeições quando nem mesmo estava com fome! Mi­nha falha veio no auge de muitas vitórias significativas na área do apetite.
Com a ajuda pessoal de Deus confronta­ra meu vício do chocolate, colocara meu gos­to por doce em seu devido lugar, corrigira meus gostos pervertidos e lidara com vá­rios outros desequilíbrios relativos ao regime alimentar. Estava desfrutando a liberdade re­sultante do autocontrole em Deus e da me­lhora na saúde que acompanha essa liberda­de. E agora isso! “Por que, mas por que, falhei nesse ponto novamente?” Clamei a Deus.
Amorosamente, Ele dirigiu meu raciocí­nio da seguinte maneira: “Analise porque você teve sucesso nessas outras áreas e pro­cure o denominador comum. Compare isso com sua falha atual. Não tenha medo, pois Eu estou com você.”
Logo encontrei um momento tranqüilo para refletir com Deus ininterruptamente e descobri algo. Cada uma das minhas vitó­rias foi precedida por uma escolha deci­siva de fazer a vontade de Deus em vez da minha.
Essa escolha era mais do que desejar o benefício que Deus oferecia. Ia além de concordar que o Seu caminho é o melhor. Levou-me a ponto de cooperar em mi­nhas ações para fazer Sua vontade, con­fiando em Seu poder capacitador para mudar meus desejos pervertidos, concei­tos habituais, emoções e inclinações que cla­mavam dentro de mim.
Era uma batalha lutar contra a nature­za carnal? Oh, sim, como era! Acredito que é a maior batalha já travada. Mas em cada uma daquelas situações de vitória escolhi deixar Deus ser o Senhor da minha mesa, dos meus gostos e da minha boca. Nada passaria por meus lábios sem a aprovação de Deus!
Cada momento de tentação durante o dia era uma oportunidade para reafirmar meu compromisso matinal com Deus de ser Sua filha. Eu filtrava através de Deus cada desejo, tanto durante como entre as refei­ções.
Ele me ajudou a compreender exa­tamente o que, quanto e quando eu precisa­va comer. Coloquei minha decisão e ação do lado de Deus nessa questão e resisti à inclinação da natureza carnal em sua curta duração, enquanto Deus limpou os maus pensamentos, desejos, gostos e tudo mais. Pela graça de Deus atuando eficazmente em minha mente e coração eu faria a Sua von­tade, não a minha. 
A vitória foi constante quando eu esta­va determinada, decidida e cooperava exter­namente com Deus, confiando em Seu poder para trabalhar no íntimo com meus pensamen­tos errados, sentimentos, etc., levando-os a obediência com meu consentimento.
A batalha era real no in­tervalo entre minha escolha de seguir a Deus e a vitória. Mas enquanto minhas ações coo­perassem com minha escolha, em seu devido tempo – geral­mente quinze minutos ou um pouco mais – a vitória vinha. 
O domínio próprio e a paz reinavam. Meus desejos, meus pensamentos, minhas e­moções estavam todos subjuga­dos por Cristo que em mim ha­bitava. (Leia Hebreus 2:8.) A tentação tinha ido embora! Não havia mais uma tendência opressiva, constrangedora, para agir de modo contrário à vontade de Deus, nem para seguir os hábitos antigos.
Eu estava livre para seguir a Cristo – o poder estava comigo! A vitória era agradável, gosto­sa. Superabundava a alegria de ter conseguido autocontrole em Jesus. Estar satisfeita com uma salada, dizer “não” à sobremesa nessa refeição, estar satisfeita com refeição menor do que queria, ou estar disposta a simples­mente ter uma refeição com frutas pela ma­nhã, era uma satisfação que produziu alegria e gratidão a Deus. Como resultado, me apro­ximei de Deus, confiando mais nEle.
Em contraste, minhas falhas aconteciam da seguinte maneira. Tínhamos desfrutado um delicioso desjejum, que era atrativo e o sufici­ente. Eu ia para minha escrivaninha trabalhar. Cerca de trinta minutos depois Satanás colocou uma tentadora sugestão em minha mente. “Você se esqueceu de comer os biscoi­tos caseiros como sobremesa. Eles devem es­tar deliciosos!”
Sem consultar a Deus, pensei: “Bem, realmente me esqueci. Mas comi pão doce com morangos frescos e creme caseiro – isso é como uma sobremesa. Não preciso de bis­coitos. Além disso, agora estamos entre as refeições e tenho me esforçado para não co­mer entre as refeições.” E voltei a me envol­ver em meu trabalho para desviar minha mente da comida. “Sim, mas um só não lhe atrapalharia. Deve estar tão delicioso!” Ele fa­lou à minha fraqueza, ao meu hábito perverti­do que ainda reagia a esse tipo de estímulo!
“Bem, realmente deve estar de­licioso.” Comecei a cooperar em meus pensamentos com essa sugestão. “Mas prometi a Deus esta manhã que lutaria contra esse mau hábito. Não estou nem com fome. Tive um desjejum satisfatório.” Mas ain­da estava propensa. Meu pas­sado, meus velhos hábitos ainda estavam me levando a isso!
“Jim esta lá fora e não verá vo­cê pegando biscoitos. Está tudo bem. Está tão delicioso. Agora é sua chance, mais tarde não vai dar, então é melhor você agir rápido e fazer isso agora”, ele me pressionou.
“Sally, não vá lá. Este é o terreno encan­tado de Satanás. Estenda sua mão e segure a Minha mão, Meu poder é suficiente para você.” Deus estava me oferecendo um meio de es­cape do pecado e de suas tentações. 
Lutei, ponderei, e considerei se co­meria aquele biscoito ou não. Em minha mente havia conflito e confusão com a indeci­são. Compreendi claramente a vontade de Deus para mim. Mas meu passado, meus hábitos e meus gostos naturais estavam cla­mando por aquele biscoito! Deus me deu um tempo para fazer uma decisão com “livre­ arbítrio” para seguir a Ele ou não. Mas meus pensamentos, minha natureza carnal, e Sata­nás me forçaram a fazer o que tinha feito an­tes e eu cooperei com o inimigo.
Estranha, impulsiva, e constrangedora­mente me levantei e fui para a dispensa buscar apenas um biscoito. Afinal, pensei: “É um biscoito saudável. Só passou 30 minutos des­de o desjejum. Eu só vou pegar um.” Prometi.

Não decidi confiar em Deus nem se­gui-Lo, não é mesmo? Ao contrário, obedeci à voz da minha natureza carnal, meu mau há­bito, meu antigo modo de amar a mim mesma dessa maneira. E não comi apenas um! Co­mi três biscoitos até que Satanás começou a esmagar com o sentimento de culpa.

“Lá vai você novamente.” Ele me insul­tou. “Você não tem autocontrole. Deus não está aqui para lhe ajudar como prometeu!” Satanás insinuou à minha mente dúvidas quanto a Deus. “Deus pode ser capaz de mu­dar aos outros, mas não você. Você é um ca­so perdido! Ninguém pode amá-la dessa ma­neira. Agora você pode até comer mais pa­ra aliviar sua tristeza. Suas promessas são cordas de areia. Deus não pode amar você – você não consegue cumprir promessa algu­ma!”
Culpa, remorso, angústia se apoderaram de mim e consumiram meu ser – minha mente e meu coração. Meu trabalho na escrivaninha fora manchado e subitamente não senti que Deus poderia me usar para aconselhar outros!
Estava inclinada a aceitar todos es­ses pensamentos, raciocínios, e conceitos como verdade e me distanciar ainda mais de Deus. Esse era um caminho antigo – fácil de se seguir.
Então o que fez a diferença entre o su­cesso e o fracasso? 
Eu não colocara decididamente minha vontade ao lado de Deus e me determinara a seguí-Lo sem me importar com o preço. Não decidir é decidir. Eu não escolhi o correto, nem dependi do poder de Cristo para operar em mim tanto o querer como o efetuar segun­do a Sua boa vontade.
Nossa humanidade longe de Deus é incli­nada a servir o pecado e o “eu”. Quando não me alio com Deu para lutar contra o erro – o pecado – não tenho poder suficiente para combater ou reprimir o “eu”. Assim o “eu” me domina e continuo sendo uma súdita de Satanás!
Minha natureza carnal, meus velhos hábi­tos, meu passado me obrigam a obedecê-los mesmo quando estão errados. Primeiro coo­perei com esses pensamentos, depois com as ações correspondentes. Quando sigo meu próprio “eu”, cedendo minha vonta­de para fazê-lo, não estou livre, mas em escravidão, uma escravidão forçada. Em contraste, quando estou em Cristo, estou livre para servi-Lo de maneira correta e ao mesmo tempo não me falta poder.
Por que sigo minha natureza carnal quando já experimentei os dois lados? Não é loucura deixar a natureza carnal me do­minar dessa maneira? É tortura, remorso, e culpa – por que reajo dessa maneira?
Simplesmente por que estou familia­rizada com isso – isso é estranhamente con­vidativo. O consolo de um velho amigo acom­panha nossa inclinação aos caminhos perverti­dos. Embora não desejemos a escravidão de velhos hábitos, somos estranhamente atra­ídos a eles e nos sentimos confortáveis neles. Esses velhos gigantes em nosso cará­ter ali habitam até que nos alistemos sob Cris­to como nosso General para nos guiar na ba­talha, e nos mostrar como empunhar a espada do Espírito para exterminá-los. Então, e so­mente então Cristo pode reinar e nos sa­ciar com toda a Sua bondade.
Talvez o apetite não seja o seu pecadi­nho acariciado. Seja qual for sua fraqueza, para vencê-la enfrentará a mesma situação. Devemos seguir o exemplo de Cristo e apren­der que o extermínio de nossos gigantes começa ao dizermos: “Não se faça a minha vontade, e, sim, a Tua.” Lucas 22:42. 
Identifique o gigante em sua experi­ência. É o desespero, a insegurança, indigni­dade, ou culpa? É o orgulho, a inveja, os ciú­mes, ou a cobiça? É o mau humor, a crítica, ou uma conduta dominadora? É a imoralidade, ou simplesmente perversão? É o medo da re­jeição? É o medo de algo mais? É controlar aos outros para se sentir no controle?
Nós falhamos, amigo, sempre e a toda vez que não deixamos Jesus nos domi­nar! Quando tememos enfrentar nosso gigan­te, quando hesitamos em decidir – então es­tamos decidindo contra Cristo. Se não deci­dimos segui-Lo – podemos identificar nossa “decisão verdadeira” através de nossas ações. A Bíblia diz: “Até a criança se dará a conhecer pelas suas ações, se a sua obra for pura e reta.” Provérbios 20:11. 
Estamos seguindo a Cristo ou a outros deuses, como o “eu”, Satanás, ou hábitos per­vertidos? São nossos atos que mostram que deus nos governa. Não há meio termo. É por isso que Satanás nos le­va à indecisão, indiferença, confusão, medo, porque hesita­mos decidir – e não decidir é decidir. Se não escolhemos Deus com convicção, Satanás retém aquela posição de domí­nio sobre nós – somos implicita­mente seus súditos.
Falhamos quando Deus não é Aquele que está no co­mando do que pensamos, senti­mos, dizemos ou fazemos. So­mos os pilotos e esperamos que Ele seja nosso co-piloto – mas isso não funciona! Não estamos dando tudo a Deus, estamos? Nós estamos no co­mando! A Bíblia inteira trata de quem está no comando de nossa vida. Se nós estiver­mos no comando, os problemas estão à nossa espreita. Se Deus está no controle, o sucesso, autocontrole por meio dEle e alegria estão à nossa espreita. Qual é a sua escolha?
Vi um querido amigo lutando em seu ca­samento para simplesmente amar sua esposa como Deus deseja. Deus estava claramente lhe pedido que amasse sua esposa sem ne­nhum interesse próprio.
Era doloroso e lamentável observar Sata­nás insultar esse homem com falsos pensa­mentos, conceitos, emoções e maus hábitos. Satanás argumentava com ele, confundindo a verdadeira questão, perturbando seus senti­mentos em relação às “necessidades” que “não estavam sendo supridas” e cultivando pensamentos sobre quão desafetuosa a es­posa era – mesmo que não fosse verdade. “Se ao menos ela fizesse isso…” ele lamentava. 
Suas necessidades estavam enraiza­das no egoísmo – o que por vezes admitia, mas se esquecia da necessidade de tratá-la amavelmente naquele momento – seu velho modo lhe era confortável. Temia, hesitava e falhava em decidir permitir que Deus lhe dominasse, deixava de filtrar através de Deus cada pensamento, palavra, e ação. Sem Deus no leme, podia apenas tratar sua esposa como antes – freqüentemente com frieza, indiferença, e um espírito degradante.
A reação da esposa era o retrai­mento – timidez nos momentos de intimidade – o que apenas agravava o estado mental dele. Sentindo-se manipulado por ela, reagia censurando-a, falando ­lhe sobre a necessidade de mu­dar, mantendo silêncio, dei­xando-a de lado, negligenciando sua parte a todo tempo. A verdade é que ele estava ten­tando manipulá-la com suas respostas frias – sendo guiado por Satanás, por seu passado e por velhos modos de agir – que­rendo fazê-la voltar ao seu ve­lho estilo problemático.
Sua necessidade de mudança parecia ser desconfortável e hesitava em confiar em Deus. Ele se apegava ao conforto de seu pe­cadinho acariciado. Sua falta de decisão de seguir a Jesus completamente, e sua falha em olhar para o poder de Cristo capaz de tor­nar-lhe semelhante a Ele e amar sua esposa, estavam fazendo com que perdesse misera­velmente o que ele mais desejava.
Satanás quer manter muitos maridos ou esposas nessa posição de indecisão e hesita­ção de seguir a Deus de todo o coração.  Con­centrar-se em permitir que Deus transforme o “eu” é a verdadeira solução. Mas Satanás gosta de manter essa verdade escondida. Ele gosta de empurrar o botão emocional cha­mado “culpe o cônjuge”, pois isso mantém “me” impede de ver o que precisa ser mudado em mim. Isso é tão natural para nossa nature­za carnal, como foi para Adão e Eva. 
Satanás insinua em nossos pensamentos que não gostaremos desse novo caminho. É desconfortável! É tão difícil! E ao concordar­mos com ele, ele nos mantêm sob seu controle – obedecendo aos ditames de seu caráter, obedecendo a seus sentimentos nega­tivos – e assim falhamos. 
Satanás é mentiroso e pai de todas as mentiras. Não podemos acreditar nele, nem nos pensamentos que ele traz à nossa mente, os quais são contra a Palavra, o caráter, a vida e o Espírito de Deus. Que tolice, segui-lo tão facilmente; mas quantas vezes fazemos exatamente isso! Não deixamos Jesus nos governar. Ao contrário, deixamos Satanás governar! Dize­mos a Jesus que temos medo dEle! Imagi­ne uma criança que não confia em sua mãe! Foi isso que fiz quando escolhi comer demais. Obedeci a Satanás, ao meu passado, e aos meus velhos hábitos que inevitavelmente me levaram à miséria, ao fracasso e não à alegria como Satanás sugere que a desobedi­ência oferece.
Meu amigo fez o mesmo no casamento dele. Não é mais difícil permanecer em nossos velhos caminhos do que é enfren­tar os “novos caminhos” sob a liderança de Cristo? Eu acho que sim. Seu casamento pode ser um relaciona­mento amoroso, seguro, afetivo e satisfatório se você deixar Jesus guiar cada um de seus pensamentos, sentimentos, emoções, concei­tos, e reações. Deixe Deus definir para você o que é o amor verdadeiro. Agarre-se aos pensamen­tos de Deus e os envolva em suas reações. Jesus é um Deus suficientemente grande para implantar a retidão em você. Ele espera sua cooperação! Ele é o Criador.
Ele é capaz e está disposto a expulsar de você o egoís­mo e os conceitos errados, aos quais você se apega, bem como todos os velhos hábi­tos que lhe dominam, desde que você per­mita que Ele possua seu coração por com­pleto. Ele deseja limpar seu coração, sua mente, sua alma, seu casamento, e a unidade de sua família para que todos sejam seme­lhantes a Cristo em pensamento, palavra e ação. Não deseja você audaciosamente mu­dar de mestre, duvidando de Satanás e confi­ando em Deus?
O reino do Céu é nosso quando ampla­mente abrimos a porta do nosso coração, e seguimos a Cristo como nosso Senhor e Salva­dor. Então Ele transforma as nossas falhas em vitórias. 
Vida plena de poder.
Sally Hohnberger, traduzido por Vera Michel de Matos. Usado com permissão do projeto Empowered Living Ministries (www.empoweredlivingministries.org)
Porque Falhamos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *