Lições da Horta para o Pais

Muitos pais quando começam a estudar os princípios educacionais divinos tem uma certa dificuldade em saber como tirar lições espirituais da natureza. Quando você cultiva o solo, no momento em que você está ali trabalhando, essas lições quase que fluem naturalmente, se você dirigir seus pensamentos a Deus. Deus deseja nos ensinar, e ao estarmos na situação ideal, e lhe pedirmos Eles sempre nos responde. Tenho experimentado isso cada vez que vou trabalhar na horta. Mais do que estar ali para dar uma oportunidade para minhas filhas aprenderem da natureza, estou ali para que Deus me ensine também. No livro Educação, p. 79 lemos:

“E para os mais velhos, que necessitam continuamente desta silenciosa lembrança das coisas espirituais e eternas, as lições tiradas da Natureza não serão uma fonte inferior de prazer e instrução. Como os moradores do Éden aprendiam nas páginas da Natureza, como Moisés discernia os traços da escrita de Deus nas planícies e montanhas da Arábia, e o menino Jesus nas colinas de Nazaré, assim poderão os filhos de hoje aprender acerca dEle. O invisível acha-se ilustrado pelo visível. Sobre todas as coisas na Terra, desde a árvore mais altaneira da floresta até ao líquen que se apega ao rochedo, desde o oceano ilimitado até a mais tênue concha na praia, poderão eles contemplar a imagem e inscrição de Deus.”

Recentemente iniciamos um projeto na horta em família, e me lembro que no primeiro dia, passamos a maior parte do tempo simplesmente limpando os canteiros. Estávamos trabalhando em uma horta que já havia sido cultivada, a terra estava preparada, mas após o inverno haviam muitas ervas daninhas secas, raízes velhas e restos de plantas que tinham sido cultivadas. Nosso primeiro trabalho, então, foi limpar os canteiros. Ao começar o trabalho veio à minha mente o trabalho que nós pais fazemos com nossos filhos.

Antes de podermos trabalhar no canteiro do coração deles precisamos remover as coisas indesejáveis da vida. Precisamos parar e pensar “que fontes (influências) tem alimentado pensamentos errados na mente deles?”, algo que está vindo pela mídia, contato com amigos que os influenciam para o mal, ou quem sabe estão tendo muito tempo ocioso e o inimigo os tem tentado para o mal?

Quando decidimos educar nossos filhos para o bem, todas as influências do mal precisam ser removidas primeiro. Não podemos cultivar novas plantinhas em um terreno sujo, precisamos limpá-lo primeiro.

Aprendi também uma segunda lição após limparmos os canteiros. O solo já estava bem afofado e pronto para o plantio, mas notamos que antes mesmo de plantarmos as sementes, as raízes das ervas daninhas que estavam adormecidas no inverno tinham acordado e já estavam brotando.

Ao arrancá-las percebi que algumas delas tinham raízes muito longas e profundas. Um tipo específico de erva daninha comum que encontrei tinha raízes de mais de meio metro de comprimento. Eu tinha que ir cavando em volta e puxando até chegar no fim da raiz, porque se deixasse um pouquinho da raiz ali ela brotaria novamente. Mais uma vez Deus trouxe lições espirituais à minha mente.

Muitos de nós, como foi o meu caso, conhecemos os princípios da verdadeira educação depois que nossos filhos já tinham uma certa idade, “espiritualmente falando” isto quer dizer que não tivemos a oportunidade de preparar o solo jardim do coração deles desde o início. Durante os primeiros anos então, muitas influências negativas “ervas daninhas” foram plantadas ali sem que percebêssemos e agora temos que lidar com esses resultados, e como podemos eliminá-las? A única forma de se eliminar uma erva daninha é cavar bem fundo para retirá-la completamente sem deixar nenhum pedacinho da raiz.

Deus trouxe à minha mente um ocasião quando uma das minha filhas, por volta dos 4 anos de idade, começou a apresentar um comportamento negativo. Na hora das refeições ela não conseguia ficar sentada à mesa. Ela comia uma pouquinho, e saia da cadeira e começava a andar em volta da mesa. Eu a chamava e ela voltava, comia mais um pouquinho e saia novamente, dava uma voltinha e simplesmente não conseguia ficar sentada. Lutei com este comportamento por vários meses. Conversava com ela, ameaçava, mas sem resultado. Um dia até fiz uma brincadeira sobre isso. Peguei uma fita bem bonita e falei que ela era um presente e que eu ia amarrá-la na cadeira e que ela não podia sair até o final da refeição. Ela riu e gostou da ideia, mas em pouco tempo a fita já não funcionava.

Um dia, muito frustrada perguntei para ela: “Por que você sai da cadeira toda hora?”, ela olhou para mim rindo e disse: “Porque eu sou Hellen Keller”. “Como assim?” Eu perguntei sem entender. Ela continuou rindo correndo ao redor da mesa e me disse: “Lembra do filme da Hellen Keller? Ela fica andando em volta da mesa.” Imediatamente entendi. Naquela época tínhamos um desenho animado que contava a história de Hellen Keller, e em uma das cenas aparecia Hellen ainda menina, andando em volta da mesa mexendo nos pratos dos demais, pois seus pais ainda não sabia como educá-la após a cegueira e ela estava literalmente crescendo como uma “erva-daninha” sem controle algum.

Naquele dia, tive um conversa com minha filha, explicando que ela não era Hellen Keller, explicando também que assim como era errado Hellen sair da mesa na hora das refeições também era errado para ela, e que que assim como Hellen aprendeu depois a se comportar corretamente ela também precisava aprender. Aquele foi o fim do problema. Algo tão simples como perguntar porque ela estava agindo daquele modo e explicar porque não devia, foi o suficiente para solucionar um problema que estávamos tendo à meses.

Essa experiência me ajudou a entender a importância de sempre chegarmos à raiz do mal ao lidarmos com algum problemas com nossos filhos. Com certeza, a solução nem sempre vai ser algo simples como uma pergunta, Talvez precisaremos conversar com eles, observar as influências e retirá-las e até poderemos descobrir que a raiz do mal tenham vindo do nosso próprio mau exemplo no passado.

Muitas vezes, na pressa do dia a dia, não queremos parar nossas responsabilidades para resolver certos problemas, aplicamos uma consequência rápida e achamos que é o que basta. As vezes o problema aparece novamente, aplicamos a consequência mais uma vez e no fim, acaba nunca sendo resolvido. Não tomamos tempo para cavar bem, e tirar todos os pedacinhos de raízes do mal que possa existir ali. O ditado “a pressa é inimiga da perfeição” se encaixa muito bem na questão do cultivo do jardim o coração dos nossos filhos. Precisamos nos dedicar mais a solucionar os problemas pequenos antes que eles se tornam grandes.

Somos muito tentados a ver comportamentos ou hábitos negativos e pensar que no futuro serão resolvidos, mas a verdade é que no futuro só aumentarão de tamanho, e se transformarão num arbusto ou árvore muito mais difícil de ser arrancada, ou também poderão se espalhar e produzir muitas outras ervas daninhas e o trabalho se tornará muito mais difícil.

Deus que é o Mestre Jardineiro do nosso coração que nos ensinar inúmeras lições que nos ajudarão como pais jardineiros no cultivo do solo do coração dos nossos filhos, tudo que precisamos fazer é tomar tempo para estar em contato com o livro que nos ensina essas lições, a natureza.

Abraço, Rute Bazan

One thought on “Lições da Horta para o Pais

  1. Quando descobri que tinha que estudar o livro da natureza com minhas filhas, fiquei assustada, pois não sabia como. era algo difícil para mim mesma, como ensinar então? Mas fui orando a Deus e ele foi dando as respostas. Ainda é um desafio, mas sinto Deus ao nosso lado.

    1. Que bênção, Luana! Também foi um desafio para mim no início, também precisei ser reeducada, mas Deus é nosso ajudador e na verdade é o Espírito Santo que impressiona nossa mente com as lições.É maravilhoso aprender dEle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *