Pérolas para Meninas

Você tem filha menina e está preocupado em prover bons ensinamentos e valores para ela? Então o projeto Pérolas para Meninas pode ser útil para você.

Alguns anos atrás duas duas amigas adolescentes criaram uma revista cristã para meninas. Sabendo como as influências negativas do mundo podem ser difíceis de se lidar nessa fase da vida, elas convidaram amigas adolescentes para compartilhar experiências que buscam fortalecer princípios cristãos.

A revista trimestral traz mensagens inspiradoras, receitas saudáveis, artesanato, dicas de beleza, uma aulinha de inglês, testemunhos e muitas outras coisas interessantes, verdadeiras pérolas preciosas que tornam a vida de uma garota mais bela e mais feliz.

Clique aqui para acessar o site onde você poderá conhecer o projeto, as revistas que já foram publicadas bem como ler outras postagens no blog. Clique aqui para curtir a página no Facebook.

Clique nas imagens abaixo para acessar o PDF das revistas já publicadas:

          

     

Lidando com a Sexualidade dos Filhos

Um dos aspectos importantes sobre desenvolvimento dos filhos dos 10 aos 15 anos de idade é a sexualidade. Aspecto este em que os pais e mães precisam trabalhar em uníssono e estar atentos para que as crianças possam se desenvolver apropriadamente apesar dos incessantes ataques do inimigo.

Creio que todos estão cientes sobre a influência da mídia que bombardeia a todos nós idolatrando a sexualidade ao mesmo tempo que a banaliza para vender qualquer coisa, seja de forma aberta, sutil ou subliminar. Para as meninas o apelo é mais romântico já que elas se apegam emocionalmente. Para os meninos é o “usa e joga fora”. Ao mesmo tempo as meninas são levadas a usar seu corpo como isca para atrair os meninos e se tornam tentadoras e vítimas. Nossas crianças estão sexualizadas muito cedo não só por serem expostas a estas imagens, mas por brincar com bonecas adultas e assistir filminhos pra crianças e histórias infantis carregadas de romance e sedução.

Nos países Nórdicos onde a menarca (primeira menstruação) costumava ocorrer aos 15 anos, um estudo revelou que foi a exposição a imagens sexualizadas que levou a menarca a abaixar para 12 anos em média. Ou seja, as crianças são afetadas não só psicológica e emocional, mas fisicamente por estas imagens e mensagens. É nesta fase dos 10 aos 15 que a pressão começa a aumentar e onde os hormônios começam a gritar. Na minha opinião, se esperarmos o problema aparecer para começar a conversar com eles a respeito, já é muito tarde. Eles precisam saber o que está vindo enquanto conseguem enxergar com clareza.

Ensinando Pureza

Trabalhei muito em meu lar com a questão das mudanças a serem esperadas, tanto na anatomia como nos novos processos – menstruação, ejaculação noturna e despertamento romântico e sexual. Expliquei que o corpo está se preparando para formar uma família e ter filhos. O processo é longo e as mudanças são só o começo. Toda a produção inicial é parte de um longo processo de maturação, para quando chegar a hora. Ninguém toca bem um instrumento no começo, é preciso muito treino. Assim com o corpo que está se preparando para um dos processos mais lindos e santos – o processo de criar. Grande e santo privilégio que não foi dado nem mesmo aos anjos.

No despertamento desse processo começam a despertar os interesses e afeições pelo sexo oposto com o qual o plano de família se vai completar. Mas enquanto não estamos prontos para estabelecer um lar, precisamos guardar tanto as afeições que ligam os corações como os desejos que nos levam a unir os corpos. Afeição, desejos e compromisso devem ser inseparáveis.

“Saber o que constitui a pureza da mente, da alma e do corpo é parte importante da educação. Paulo resumiu as consecuções possíveis a Timóteo, dizendo: “Conserva-te a ti mesmo puro.” 1 Timóteo 5:22. O Filho de Deus não será condescendente com a impureza de pensamentos, palavras ou atos. Todo encorajamento e as mais ricas bênçãos são oferecidos aos vencedores das más práticas, mas as mais terríveis penalidades impostas aos que profanam o corpo e contaminam a alma.” Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, p. 103.

A impureza não é só em atos, mas em pensamento e palavras. Por isso JESUS disse que se olhamos com olhar impuro já pecamos. Mesmo porque nosso corpo reage aos nossos pensamentos como se fosse realidade e aí vem o grande problema. O que estamos vendo em filmes e TV, ouvindo em música, ou sendo expostos em livros, telinhas, ou em conversas com amigos?

“A mente não cessará jamais de ser ativa. Ela está exposta às influências, sejam boas ou más. Assim como o rosto humano é estampado pela luz na tela do artista, igualmente são os pensamentos e impressões estampados na mente da criança; e quer sejam estas impressões terrenas, quer morais e religiosas, são elas quase indeléveis.” Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 293.

Estes dias estava aconselhando um casal adventista com um filho de 12 anos. O problema era disciplina e querer roupas de marca. Depois de muito tempo eles comentaram que o filho tinha sido exposto a pornografia através do primo há um ou dois anos atrás e desde então…

Este é um problema seríssimo para qualquer um, mas para o cérebro em rápido desenvolvimento muito mais. A pornografia vicia e como todo vicio vai criando tolerância e para se ter o mesmo efeito é preciso doses mais pesadas que incluem perversões e violência. O gosto para relações normais e reais diminui e precisam cada vez mais incluir estes dois fatores. E até mesmo nos adultos acontecem transformações físicas no cérebro que se pode ver através de ressonância magnética. As regiões mais nobres atrofiam enquanto as carnais se tornam muito mais ativas.

Masturbação

Um grande problema hoje é o acesso a esse material de graça e constante através da internet e a pornografia traz a inseparável masturbarão para aliviar a tensão. E por causa do fácil acesso à ambos, esta experiência se torna mais e mais frequente e mais difícil de resistir. Popularmente, e até entre profissionais de saúde, existe a teoria que a masturbarão é só um processo natural de explorar o corpo. Mas estudos começam a descobrir o que Deus deixou claro na revelação. Todos os textos abaixo tratam de masturbação:

“Algumas crianças começam a prática da polução própria na infância; e ao crescerem em anos, as paixões concupiscentes crescem com o seu crescimento e fortalecem-se com a sua força. Não têm mente tranquila. Meninas desejam a companhia de rapazes, e estes a das meninas. Seu comportamento não é reservado e modesto. São ousados e atrevidos, e permitem-se liberdades indecentes. O hábito do abuso próprio aviltou-lhes a mente e manchou-lhes a alma. Pensamentos vis, e a leitura de novelas, histórias de amor, e livros imundos excitam-lhes a imaginação, e exatamente esses se ajustam ao seu espírito depravado.” Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 290.

“Quando os jovens adotam práticas vis enquanto o espírito é tenro, eles nunca obterão força para desenvolver plena e corretamente personalidade física, intelectual e moral.” Testemunhos para a Igreja, v. 2, p. 351.

Consequências da poluição moral — “Alguns que fazem alta profissão de fé, não compreendem o pecado do abuso próprio [masturbação] e seus resultados. O hábito longamente arraigado lhes tem cegado o entendimento. Eles não avaliam a excessiva malignidade deste degradante pecado que lhes enerva o organismo e destrói a energia nervosa do cérebro. Os princípios morais são demasiado fracos quando em luta com um hábito arraigado. Solenes mensagens vindas do Céu não podem impressionar fortemente o coração não fortalecido contra a condescendência com esse degradante vício. Os sensitivos nervos do cérebro perderam o saudável tono devido à estimulação doentia para satisfazer um desejo antinatural de satisfação sensual.” Conselhos para a Igreja, p. 112.

“Geralmente os pais não suspeitam que os filhos compreendem algo a respeito do vício.” Conselhos para a Igreja, p. 112.

“A corrupção moral tem feito mais do que qualquer outro mal para causar a degeneração da humanidade. É praticada em alarmante grau e traz doenças de quase todas as espécies descritas.” Conselhos para a Igreja, p. 112.

“Se a prática é continuada nas idades de quinze anos e daí para cima, o organismo protesta contra o prejuízo já sofrido, e continua a sofrer, e os fará pagar a pena da transgressão de suas leis, especialmente nas idades de trinta a quarenta e cinco anos, por muitas dores no organismo e várias doenças, tais como afecções do fígado e dos pulmões, neuralgia, reumatismo, afecções da espinha, enfermidades nos rins, e tumores cancerosos. Alguns dos delicados mecanismos da natureza cedem, deixando uma tarefa mais pesada para os restantes realizarem, o que lhe desorganiza o delicado organismo, havendo freqüentemente repentina decadência física, cujo resultado é a morte.” Conselhos para a Igreja, p. 113.

E pensando na criança que aprendeu disso com o primo, não é algo raro como se imagina:

“Os que assim se têm tornado tão completamente firmados nesse vício destruidor da alma e do corpo, raramente podem descansar enquanto sua carga de mal secreto não é comunicada àqueles com quem se associam. Desperta-se a curiosidade, e o conhecimento do vício é passado de jovem para jovem, de criança para criança, até dificilmente encontrar-se um que ignore a prática desse pecado degradante.” Conselhos para a Igreja, p.112.

Os dois aspectos mais importantes para a vitória nessa área:

1- Comunhão diária com Deus através do estudo da Palavra e oração.

“Por que os nossos jovens, e mesmo os de mais idade, são tão facilmente induzidos à tentação e ao pecado? Porque a Palavra de Deus não é estudada e meditada como deveria ser. Se fosse apreciada, haveria uma integridade interior, um poder de espírito, que resistiria às tentações de Satanás para fazer o mal. Firme e decidida força de vontade não é desenvolvida na vida e no caráter porque as sagradas instruções não se tornam objeto de estudo e meditação.” Mensagens aos Jovens, p. 425.

“Devemos fazer da Bíblia nosso estudo, acima de todos os outros livros; e ela deve ser amada e obedecida como a voz de Deus.” Mensagens aos Jovens, p. 426.

2- Ganhar o coração e confiança dos filhos demonstrando amor não só por palavras e atos, mas pela firmeza em dirigi-los pelo caminho estreito, mesmo que não seja popular.

“Mediante disciplina gentil em palavras e atos de amor pode a mãe unir os filhos ao seu coração…  Diga calmamente o que pretende, aja com consideração e sem desvios ponha em prática o que diz.” Conselhos para a Igreja, p. 194.

“Instruam-nos bondosamente, e os liguem ao coração. É um tempo crítico para as crianças. Influências serão exercidas sobre elas a fim de aliená-las de vocês, e cumpre-lhes contrabalançá-las. Ensinem-lhes a fazerem de vocês seus confidentes. Segredem-lhes elas ao ouvido suas provas e alegrias. Animando isto, poupá-las-ão a muitos laços preparados por Satanás para seus inexperientes pés… Não esperem que sejam perfeitos, nem busquem torná-los de repente homens e mulheres em seus atos. Assim fazendo, fecharão a porta de acesso que, de outro modo, a eles vocês poderiam ter, e os impelirão a abrir outra porta às influências prejudiciais, a que outros lhes envenenem a mente juvenil antes que vocês despertem para o perigo que correm.” Conselhos para a Igreja, p. 200.

Levá-los aos pés da cruz diariamente e uni-los ao nosso coração, tornará mais fácil que aceitem as demais barreiras que podem prevenir o mal de entrar bem como ajudá-los a expulsá-lo se já entrou.

Guardar nossos filhos como quem tem que dar contas a Deus. Prevenir tanto quanto possível e lidar com o problema assim que for descoberto.

Conselhos para Pais

Os conselhos abaixo servem para qualquer problema de impureza sexual bem como sentimentalismo (namoros, namoricos e paixões):

1. Ser extremamente cuidadoso quanto às companhias das crianças e jovens.

“Pais e mães, conseguem vocês reconhecer a importância da sua responsabilidade? Percebem a necessidade de resguardar os filhos dos hábitos negligentes, desmoralizadores? Só permitam que os filhos formem amizades que tenham boa influência sobre seu caráter.” Conselhos para a Igreja, p. 199.

2. Não deixar crianças dormirem juntas (mesmo que sejam primos e etc.) melhor dormir no chão perto dos pais que com outras crianças.

3. Manter os filhos sob nossas vistas quando com outras crianças quando são pequenos. As conversas impuras podem começar mais cedo do que imaginamos.

4. Evitar que os olhos vejam e os ouvidos ouçam o que sugira impureza. “Pensamentos vis, e a leitura de novelas, histórias de amor, e livros imundos excitam-lhes a imaginação, e exatamente esses se ajustam ao seu espírito depravado.” Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 290. (A mídia em geral: livros, revistas, filmes, música, etc.)

5. Evitar alimentos cárneos e derivados animais assim como outros alimentos estimulantes que estimulam as paixões animais. “Se já houve tempo em que o regime alimentar devesse ser da mais simples qualidade, esse tempo é agora. Não devemos pôr carne diante de nossos filhos. Sua influência é reavivar e fortalecer as mais baixas paixões, tendo a tendência de amortecer as faculdades morais.” Conselhos para a Igreja, p. 234.

“Colocais sobre vossa mesa manteiga, ovos e carne, e vossos filhos disso participam. Alimentam-se dos próprios artigos que lhes excitam as paixões animais, e então ides à reunião e pedis a Deus que abençoe e salve vossos filhos. Que altura alcançarão vossas orações? Tendes uma obra a realizar primeiro. Depois de haverdes feito por vossos filhos tudo que Deus deixou ao vosso cuidado, podereis então, com confiança, reclamar o auxílio especial que Deus vos prometeu dar.” Conselhos Sobre Regime Alimentar, p. 245.

“À mesa, carregada de condimentos prejudiciais, comida indigesta e gulodices cheias de especiarias, a criança adquire o gosto do que lhe é nocivo, que tende a irritar as delicadas membranas do estômago, inflama o sangue e fortalece as paixões animais.” Temperança, p. 182.

Paralisadas as energias morais — “Mediante o apetite, inflamam-se as paixões, e paralisam-se as energias morais, de modo que as instruções paternas nos princípios de moralidade e piedade genuína caem nos ouvidos sem afetar o coração. As mais terríveis advertências e ameaças da Palavra de Deus não têm poder suficiente para despertar o intelecto embotado e a consciência violada.” Temperança, p. 183.

6. Trabalho Físico 

“Não amam o trabalho (os que praticam esses hábitos), e empenhados nele, queixam-se de fadiga; doem-lhes as costas, dói-lhes a cabeça. Não haverá causa bastante? Fatigam-se por motivo de seu trabalho? Não, não! No entanto os pais têm pena dessas crianças ao se queixarem e aliviam-nas de trabalho e responsabilidade. Isto é a pior das coisas que por eles podem fazer. Removem assim quase a única barreira que impede Satanás de ter livre acesso a sua mente enfraquecida. O trabalho útil ser-lhes-ia, em certa medida, uma salvaguarda contra o seu [de Satanás] controle sobre eles.” Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 290.

“Ocupações úteis, viris, postas em lugar de divertimentos corruptores e frívolos, dariam legítimo escopo à exuberância de vida juvenil e promoveriam sobriedade e estabilidade de caráter.” Conselhos Sobre Educação, p. 100.

“Se as moças aprendessem a cozinhar, especialmente a assar bom pão, sua educação seria de muito mais valor. O conhecimento de trabalho útil evitaria em grande medida esse sentimentalismo enfermiço que tem arruinado e continua arruinando a milhares. O exercício dos músculos, bem como do cérebro, estimulará o gosto pelas tarefas domésticas da vida prática.” Conselhos Sobre Educação, p. 100.

7. Ensinar a criança e jovem que podem e devem controlar os pensamentos.

“Os pensamentos corruptos devem ser expulsos. Todo o pensamento deve ser levado cativo a Jesus Cristo. Toda propensão animal deve ser sujeita às faculdades mais altas da alma. O amor de Deus deve reinar supremo; Cristo deve ocupar um trono não dividido. Nosso corpo deve ser considerado como havendo sido comprado. Os membros do corpo devem tornar-se instrumentos de justiça.” O Lar Adventista, 121-128.

8. Desestimular namoro e sentimentalismo enquanto não acabarem os estudos.

“Enquanto na escola, os alunos não devem permitir que a mente lhes fique confundida por pensamentos de namoro. Eles aí estão a fim de preparar-se para trabalhar para Deus, e este pensamento deve ocupar sempre o primeiro lugar.” Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, p. 100.

“Vives agora a vida de estudante; demora a mente em assuntos espirituais. Mantém todo o sentimentalismo à parte de tua vida. Dá-te a ti mesmo vigilante auto-instrução e põe-te sob o controle de ti mesmo. Estás agora no período formativo do caráter.” Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 292.

9. Discutir e ajudar a estabelecer os parâmetros de escolha do companheiro.

“Pais e mães devem sentir ser seu dever orientar as afeições dos jovens, para que possam ser colocadas naqueles que serão companheiros adequados. Devem sentir como seu dever, pelo próprio ensino e exemplo, com a graça auxiliadora de Deus, modelar de tal forma o caráter de seus filhos desde os primeiros anos para que sejam puros e nobres, e sejam atraídos para o bem e o verdadeiro. Os semelhantes se atraem; os semelhantes apreciam os semelhantes. Que o amor pela verdade, pureza e bondade seja cedo implantado na alma, e os jovens buscarão a companhia daqueles que possuem essas características.” Mensagens aos Jovens, p. 466.

10. Discutir e colocar diante dos jovens parâmetros de comportamento no namoro. Estas decisões devem ser feitas com antecedência e reforçadas com leitura e testemunhos. Um bom material é o livro Mensagens aos Jovens. Outro, para nós, foi o livro “Eu Disse Adeus ao Namoro”, de Joshua Harris. Lemos também “Boy Meets Girl” cheio de testemunhos de jovens que escolheram um outro tipo de namoro e como foi.

Estas discussões antecipadas permitem que todos analisem e tomem decisões quando não estão sob a influência da paixão ou sentimentos fortes. É como fazer compras com uma lista e sem estar com fome. Garante que compremos o que é melhor!

Não é fácil andar na contramão do mundo, mas tampouco é fácil o lidar com os resultados de ir para onde o mundo vai. Os resultados são funestos aqui e tornam muito mais difícil caminhar para a eternidade. Que Deus nos ajude a ter a coragem de obedecer a Deus e guiar nossos filhos.

Silvia Martins

Livros para Crianças e Adolescentes (lista sugestiva)

Como você escolhe livros para seu filho ler? Vejam alguns conselhos inspirados por Deus para ajudá-lo a fazer boas escolhas:

A mente suscetível e expansiva da criança almeja o saber. Devem os pais manter-se bem informados para que possam dar ao espírito de seus filhos o alimento conveniente. Semelhante ao corpo, a mente deriva sua força do alimento que recebe. Ela se alarga e eleva por meio de pensamentos puros, fortalecedores; mas estreita-se e avilta-se com pensamentos terrenos, rasteiros.

“Pais, sois vós os que haveis de decidir se o espírito de vossos filhos se encherá de pensamentos enobrecedores, ou de sentimentos viciosos. Não podeis conservar desocupada sua mente ativa, tampouco podeis expulsar o mal com um simples gesto de enfado. Unicamente incutindo princípios corretos, podeis excluir maus pensamentos. A não ser que os pais plantem no coração dos filhos as sementes da verdade, o inimigo semeará o joio. A instrução boa e sã é o único preventivo contra as más conversas, que corrompem os bons costumes. A verdade protegerá a alma das intermináveis tentações que terão de ser enfrentadas.

“Os leitores de contos frívolos e empolgantes tornam-se inaptos para os deveres da vida prática. Vivem em um mundo irreal. Tenho observado crianças a quem se consentiu adquirir o costume de ler tais histórias. Quer em casa quer fora de casa, achavam-se inquietas, sonhadoras, incapazes de conversar a não ser sobre os assuntos mais triviais. Pensamentos e conversas religiosos eram inteiramente alheios ao seu espírito. Cultivando o apetite pelas histórias sensacionais, perverte-se o gosto da mente, e o espírito não se satisfaz a menos que seja nutrido com tal alimento prejudicial.

“Muitos jovens são ávidos por livros. Lêem qualquer coisa que possam obter. Apelo para os pais desses jovens, a fim de que governem o desejo deles pela leitura. Não permitais sobre vossas mesas revistas e jornais em que se encontrem histórias de amor. Preenchei o lugar desses com livros que auxiliem os jovens a porem na formação de seu caráter o melhor material — o amor e o temor de Deus, o conhecimento de Cristo. Animai vossos filhos a armazenar na mente conhecimento valioso, a deixar que aquilo que é bom ocupe a alma e dirija suas faculdades, não dando lugar a pensamentos baixos, aviltantes. Restringi o desejo pela leitura que não forneça ao espírito bom alimento.

“Que lerão nossos filhos? Esta é uma questão séria, e que exige uma séria resposta. Perturba-me ver, entre as famílias observadoras do sábado, periódicos e jornais que contêm histórias em série, as quais não deixam impressão para o bem na mente das crianças e jovens. Tenho observado aqueles cujo gosto pela ficção foi assim cultivado. Tiveram o privilégio de ouvir a verdade, de familiarizar-se com as razões de nossa fé; mas chegaram aos anos mais avançados destituídos da verdadeira piedade e religião prática. Os leitores de ficção estão tolerando um mal que destrói a espiritualidade, obscurecendo a beleza das sagradas letras.” Lar Adventista, p. 410-417. 

Para ajudar você a encontrar boas opções de livros compilamos a lista abaixo, baseado no testemunho de famílias que estão buscando seguir os princípios divinos na educação dos filhos:

HISTÓRIAS VERÍDICAS:

África, Lembranças de uma Missão, Bob Prouty – (CPB, infanto-juvenil)

A Exilada, Serpouhi Tavoukdjian, (CPB, Fora de impressão)

A Bíblia por um Punhal e Outras Histórias Espetaculares, Helen Lee (CPB, infanto-juvenil)

A Bíblia na Parede – https://lmsdobrasil.com.br

A História de Mary Jones – Sociedade Bíblica Brasileira, infanto-juvenil, https://lmsdobrasil.com.br

A História dos Reformadores para Crianças (coleção) – http://www.editoraletras.com.br

A Quem Temerei, Ann Vitorovich (CPB, biografia)

Aventura Missionária, Davi e Angela Tavares (CPB, infanto-juvenil)

Aventuras do Capitão Bates (Editora dos Pioneiros)

Aventuras na Serra do Mar, Fernando José de Souza (CPB, infanto-juvenil)

Ayesha, a Bem-amada de Deus, Norma R. Youngberg (CPB, infanto-juvenil)

Ben Carson, Bem S. Carson e Cecil Murphey (CPB, biografia)

Bichos Incríveis, Grandes Histórias de Animais, Lori Peckham (CPB, infanto-juvenil)

Desafio nas Águas, Ana Paula Ramos (CPB, infanto-juvenil)

Ensinado por um Tigre, Norma R. Youngberg (CPB, Fora de impressão)

Entre os Leões de Angola (CPB, biografia)

David Livingston, Ben Alex (Editora LPC)

Desafio nas Águas, Ana Paula Rany (CPB, infanto-juvenil)

Eles Criam em Deus, Biografias de cientistas e sua fé criacionista, Rodrigo P. Silva (CPB, infanto-juvenil)

Fiel a Toda Prova, Wellesley Muir (CPB, fora de impressão)

Fogo na Montanha, Norma R. Youngberg (CPB, infanto-juvenil)

Fugindo para a Liverdade, Doru Tarita e Kara Kerbs (CPB, biografia)

Furaha, a História de Um Bebê Condenado à Morte, Oliver Jacques (CPB, infanto-juvenil)

Histórias de Minha Avó, Ella M. Robinson (CPB, infanto-juvenil)

Histórias de Tirar o Fôlego, Helen Lee (CPB, infanto-juvenil)

Histórias que a Gente Gosta, compilação (CPB, infanto-juvenil)

Jogada de Craque, Herbert de Almeida (CPB, biografia)

King, o Pregador que Não Conseguia Pregar, Kimber J. Lantry (CPB, história)

Lágrimas de Ontem, Dorothy Comm (CPB, fora de impressão)

Leo Halliwell na Amazônia, Olga S. Streithorst (CPB)

Mary Entre os Selvagens do Calabar, Virgil E. Robinson (CPB)

Mil Cairão ao Teu Lado (CPB, biografia)

Milagres Atuais, Loron Wade (CPB, vida cristã)

Missão Abaixo de Zero, Aventuras no Alasca, Milton L. Torres (CPB, infanto-juvenil)

Missão no Pacífico, E. L Martin (CPB, fora de impressão)

Naila e o Crocodilo Branco, Norma R. Youngberg (CPB, fora de impressão)

Nascido para Pregar, Henry Feyerabend (CPB, história)

Na Trilha dos Pioneiros (CPB, histórias)

O Boi que Guardava o Sábado, Bradley Booth (CPB, infanto-juvenil)

O Gato que Salvou o Trem, compilação (CPB, infanto-juvenil)

O Homem que Saltava das Nuvens, Wellesley Muir (CPB, infanto-juvenil)

O Meu Deserto, Allyson Firme (Editora Ados)

O Milionário da Caverna, Doug Batchelor (CPB, infanto-juvenil)

O Mistério do Farol Abandonado, Suzanne Perdew (CPB, infanto-juvenil)

O Tempo não Apagou, Don R. Christman (CPB, fora de impressão)

O Vale da Decisão, Leola Woodruff (CPB)

Pão Sobre as Águas, Melvin Northrup (CPB, biografia)

Perdidos no Mar, Grenville Lee Dunstan (CPB, biografia)

Peregrino em Terra Estranha, Virgil Robinson (CPB)

Pérolas Esparsas, compilação (CPB, fora de impressão)

Portal dos Deuses, Thurman C. Petty (CPB, infanto-juvenil)

Prendam-no, Miriam Wood (CPB, fora de impressão)

Princesinha Esperta, Eric B. Hare, (CPB, fora de impressão)

Prisioneiro de Guerra, M. M. Stump (CPB, fora de impressão)

Prisioneiros na China, Vinnie Ruffo (CPB, fora de impressão)

Quem foi Ellen White, Marye Trim (CPB, infanto-juvenil)

Renascido da Dor, Marcelo Cunha, (CPB, biografia)

Resgate na Montanha e Outras Histórias, Christopher Blake (CPB, infanto-juvenil)

Um Passo a Mais, Fernanda Lima (CPB, biografia)

Uma Voz Especial, Ullanda McCullough-Innocent (CPB, fora de impressão)

Outros: Inspiração Juvenis também oferecem excelente material de leitura. Encontre as mais antigas em Sebos.

 

BÍBLIA E RELIGIÃO:

As Belas Histórias da Bíblia, coleção (CPB, fora de impressão)

A Garotada da Bíblia – Márcio Dias Guarda (CPB, infanto-juvenil)

A Turma dos Profetas, Eduardo Rueda (CPB, infanto-juvenil)

Curiosidades e Testes Bíblicos, Rafel Escandón (CPB, infanto-juvenil)

Deus me Ama de 28 Maneiras – Charles Mills, Linda Koh (CPB, infanto-juvenil)

Gincana Bíblica – A. D. Santos Editora

Guerra no Céu, Os Bons Vencem os Maus, Ariane M. Oliveira (CPB, infanto-juvenil)

Jesus me Diz Assim – Cristina Macena e Thiago Lobo (CPB, infanto-juvenil)

Lá no Céu – Cristina Macena e Thiago Lobo (CPB, infanto-juvenil)

Mapa do Tesouro, Os Segredos de Jesus no Apocalipse, Eduardo Rueda (CPB, infanto-juvenil)

O Peregrino, John Bunyan (Editora Mundo Cristão)

O Livro de Deus, Descubra como a Bïblia Chegou Até Voce, Tim Lale (CPB, infanto-juvenil)

O Grande Movimento Adventista (Editora dos Pioneiros)

O Que É A Bíblia? Uma Introduçao ao Livro da Fé Crista, Sue Graves Sociedade Bïblica Brasileira (CPB, infanto-juvenil)

Meus Amigos da Bíblia coleção (CPB, fora de impressão)

Sabedoria para Crianças – https://lmsdobrasil.com.br

Vida de Jesus – EGW (CPB)

Zoológico Bíblico – Ethel Maxine Neff (CPB)

 

LINGUAGEM:

Descobrindo o Mundo: Dicionário Infantil – Ciranda Cultural

Larousse Dicionário Escolar Júnior – Larousse

CORPO HUMANO:

Enciclopédia Ilustrada do Corpo Humano – Girassol

Corpo Humano – Ciranda Cultural

O Corpo Humano – Série Saber em Ação – Girassol (Imagens, pop-ups e sons)

 

NATUREZA:

Se Deus Fez… se Deus não Fez… – Michelson Borges

Enciclopédia da Natureza – Girassol

Minha Primeira Enciclopédia da Natureza – Girassol

Enciclopédia da Natureza – Ciranda Cultural

Descobrindo o Mundo: Natureza – Ciranda Cultural (Enciclopédia infanto-juvenil)

Pequenos Guias da Natureza (Editora Platano, Portugal)

 

ANIMAIS:

Adivinha O Que É: Animais Selvagens – Girassol (Com abas e janelas)

Adoro Bicho! – Girassol (Adesivos e passatempos)

Adoro Natureza! – Girassol (Adesivos e passatempos)

Animais – Série Abra a Janela – Girassol (Com abas e janelas)

Animais da Selva, dos Mares e das Montanhas: com Adesivos – Girassol (Adesivos)

Animais da Fazenda – Girassol (Adesivos)

Animais e suas Moradias – Girassol (Ilustrações detalhadas e ampliadas, legendas com explicação passo a passo, 4 pop-ups)

Animais que Falam – Série Floresta do Braulho – Lafonte (Com sons de animais de verdade)

Borboletas, suas características e Hábitos – Ivan Schmidt (CPB, infanto-juvenil)

Brincadeiras Animais http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/136780/

Cãezinhos Brincalhões – Ciranda Cultural (Jogos, atividades, 50 adesivos)

Coelhinhos e seus Amigos – Ciranda Cultural (Jogos, atividades, 50 adesivos)

Como os Bichos Crescem: Borboleta – Girassol (Fotos, explicações simples, adesivos )

Como os Bichos Crescem: Cachorro – Girassol (Fotos, explicações simples, adesivos)

Como os Bichos Crescem: Pato – Girassol (Fotos, explicações simples, adesivos )

Como os Bichos Crescem: Rã – Girassol (Fotos, explicações simples, adesivos )

Descobrindo o Mundo: Animais – Ciranda Cultural (Enciclopédia infanto-juvenil)

Descobrindo o Mundo: Curiosidades sobre Animais – Ciranda Cultural

Esconde-Esconde: Reino Animal – Publifolha

Fazenda do Barulho – Série Floresta do Braulho – Lafonte

Filhotes – Ciranda Cultural

Floresta do Barulho – Editora Lafonte

Famílias Animais http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/136299/

Felinos – Série Criaturas Mortais Ciranda Cultural (6 a 8 anos – Jogos, atividades, adesivos)

Gatinhos Fofos – Ciranda Cultural (3 a 5 anos – Jogos, atividades, 50 adesivos)

Meu Pequeno Livro dos Animais, Lafonte

Natureza –Animaishttp://produto.mercadolivre.com.br/MLB-524637537-livro-filhotes-1001-fotos-animais-_JM

No Ar – Série Que Bicho É? – Sueli Ferreira de Oliveira, Michelson Borges – http://www.cpb.com.br/produto/detalhe/14641/no-ar—serie-que-bicho-e?-

No Mar – Série Que Bicho É? – Sueli Ferreira de Oliveira, Michelson Borges –http://www.cpb.com.br/produto/detalhe/15101/no-mar—serie-que-bicho-e?-(+-de-45-adesivos)

Pássaros, suas características e Hábitos – Ivan Schmidt (CPB, infanto-juvenil)

Brincadeiras Animais http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/136780/

Famílias Animais http://publifolha.folha.com.br/catalogo/livros/136299/

Esconde-Esconde: Reino Animal – Publifolhinha

O Atlas do Mundo Animal – Publifolhinha.

100 Coisas sobre Cães e Filhotes – Girassol

 

JARDINAGEM:

Meu Primeiro Livro de Jardinagem – Dorling Kindersley – Publifolha

 

MEIO AMBIENTE:

Desertos – Série Planeta Terra – Ciranda Cultural ( 6 a 8 anos )

Florestas Tropicais – Série Planeta Terra – Ciranda Cultural (6 a 8 anos )

Oceanos – Série Planeta Terra – Ciranda Cultural (6 a 8 anos)

Regiões Polares – Série Planeta Terra – Ciranda Cultural

Descobrindo o Mundo: Fazenda – Ciranda Cultural

 

 

Sem Medo da Adolescência

middle aged mother and teen daughter chatting on bed

Nossa filha mais velha está entrando na adolescência… aquela fase da vida que muitos de nós pais tememos. Já conversei com várias mães de pré-adolescentes e a preocupação é sempre a mesma: “E se nós fizermos tudo certinho até aqui e de repente ao chegar na adolescência eles se rebelarem!” Sinceramente este pensamento já passou pela minha mente algumas vezes e eu aprendi a entregá-lo a Deus cada vez que ele vem.

Já percebi que nas famílias amorosas com sólidos princípios bíblicos no lar, os filhos não parecem passar por uma fase de rebeldia no período da adolescência. Ao contrário, se tornam jovens obedientes e amorosos para com os pais, extremamente atenciosos para com os outros e responsáveis dentro de sua esfera, sem perder aquela inocência e pureza quase que infantil.

Você deve estar pensando: “Como assim, não passam pela adolescência?” Na verdade, se você pesquisar um pouquinho sobre a adolescência, vai descobrir que a adolescência com essas características de rebeldia, foi algo inventado… isso mesmo, e nem todo mundo precisa passar por ela.

O termo adolescência e as características que acompanham essa fase entre 13 e 19 anos foram uma invenção americana pós Segunda Guerra Mundial. Os jovens nessa época eram muitos explorados na produção de equipamentos de guerra e nos campos de batalha, e por isso alguns começaram a se rebelar e apresentar comportamentos impróprios… a mídia então, tirou proveito e começou a apresentar a necessidade de que esses jovens tivessem uma fase na qual fossem completamente livres e não pressionados a terem as mesmas responsabilidades de adultos. Até essa época, ao atingir a idade dos 12 ou 13 anos uma criança se tornava um jovem adulto, não completamente maduro ainda, mas maduro o suficiente para ser um membro responsável e ativo da sociedade.

Na cultura judaica mais conservadora, o conceito da criança se tornar um jovem adulto e não um adolesecente prevalece até hoje. Quando o menino atinge a idade de 13 anos ele se torna um bar mitzvah (“filho do mandamento”) e quando a menina atinge a idade de 12 anos ela se torna uma bat mitzvah (“filha do mandamento”). Antes dessa idade que coincide aproximadamente como a fase da puberdade, os pais são considerados responsáveis pelas ações dos filhos, mas a partir dessa idade os filhos são responsáveis por suas próprias ações. Além da responsabilidade, eles também passam a ter certos privilégios como participar de eventos e festas que antes não lhes eram permitido participar. Tipicamente as famílias judias celebram essa data com uma cerimônia especial que normalmente ocorre no sábado seguinte ao aniversário de 13 anos do menino e 12 anos da menina.

Quando ouvimos essa informação pela primeira vez alguns meses atrás, conversamos com nossa quase adolescente e ela gostou da ideia de se tornar uma “adulta” em pouco tempo. E interessante como entender e estudar isso parece que a ajudou, não apenas se portar de maneira mais madura, mas a se abrir muito mais conosco pais e se tornar nossa confidente. Como pais temos buscado ajudá-la a ser responsável por suas próprias ações, e uma das maneiras que fazemos isso é dando a ela a oportunidades de fazer escolhas dentro de sua maturidade.

Alguns meses depois dessa descoberta, passamos por um incidente interessante que nos ensinou algumas lições importantes. Nossa pré-adolescente recebeu de presente da avó um sapato novo. Fomos às lojas para ela escolher e empolgada com o presente acabou se encantando por uma sandália que para nós, pais, não era ainda muito apropriada para sua idade. O salto era um pouco alto para nossos princípios de saúde, modéstia, etc, etc…

Quando percebemos seu interesse, visitamos várias outras lojas e mostramos diferentes opções, mas ela continuava encantada com a sandália. Chegou um momento que tínhamos que tomar uma decisão. Ela já nos tinha nos perguntando inúmeras vezes o que achávamos e nós dizíamos nossa opinião, mas ela continuava bem atraída à sandália. Finalmente dissemos a ela que não a forçaríamos a tomar uma decisão, mas que ela tinha informação suficiente para decidir. Corremos um risco? Sim, mas sentimos que Deus nos ajudaria a lidar com as consequência e estávamos em oração para que Deus guiasse seu coraçãozinho.

Ela experimentou a sandália, caminhou pela loja, conversou comigo, conversou com o pai. Podíamos ver que ela estava passando por uma luta interior muito forte. Finalmente ela disse, com lágrimas nos olhos, que não levaria a sandália. Nós olhamos assustados um para o outro, com a escolha final que ela fez depois de tanta insistência. Até falamos novamente que ela estava livre para escolher, que não queríamos forçar sua decisão, mas ela decidiu não levar a sandália.

Pouco tempo depois, as lágrimas acabaram e perguntamos a ela porque ela tinha mudado de ideia, e sua resposta trouxe lágrimas agora aos nossos olhos: “Porque eu quero obedecer vocês, e eu não me sentiria bem usando algo que eu sabia que não estava agradando vocês”.

A sandália não foi comprada naquele dia, mas alguns dias depois. O inimigo ainda tentou perturbar seu coraçãozinho, mas ela fez uma escolha sábia e foi super contente para casa com uma linda sandália, bem apropriada para sua idade.

Amigos, somos pais imperfeitos e falhos, já erramos no passado e muitas vezes ainda erramos com nossas filhas, mas entendemos algo importante com esse incidente. A adolescência, pode sim, ser a revelação de rebeldia ou rancor guardada no coração durante a infância, mas ela também pode ser uma linda revelação de respeito e honra aos pais, porque na infância eles se dedicaram para ensinar os filhos a temer a Deus. Por mais, que as vezes, no meio do caminho nossos filhos pareçam dispersos, distantes, ou até apresentem momentos de rebeldia, pois “o leão está sempre ao redor procurando a quem devorar”, todo esforço diligente com a ajuda de Jesus será recompensado.

Ainda mal começamos nossa caminhada como como pais de “adolescentes”, mas podemos ver que o mesmo Deus que nos sustentou e nos deu sabedoria no passado estará conosco daqui para frente. Não precisamos ter medo.

Se você teve a oportunidade de desenvolver durante a infância de seu filho um relacionamento amoroso de confiança, sem muitas influências do mundo, pode ter certeza que Deus será fiel e continuará lhe ajudando. Se por acaso, você foi um pai ou mãe distante e teve um relacionamento conturbado com seu filho, sem Deus, faça todo o possível agora para restaurar esse relacionamento. Sacrifique seus sonhos se necessário for, e busque a Deus constantemente, pois Ele é capaz de realizar qualquer milagre no seu coração e no coração do seu filho.

Algumas dicas para um relacionamento amoroso com seu adolescente:

  • Faça parte de vida dele e deixe ele fazer parte da sua;
  • Incentive seus dons e apoie seus interesses;
  • Dê a ele oportunidade de sociabilização saudável, com pessoas que são um exemplo para ele;
  • Dê a ele responsabilidades, e assuma que ele será responsável;
  • Seja paciente com suas falhas, você também tem;
  • Busque levá-lo a desenvolver um relacionamento pessoal com Deus;
  • Não tenha medo de ensinar princípios, ele lhe surpreenderá, não apenas aceitando-os, mas defendendo-os;
  • De a ele oportunidade de servir no campo missionário, ele amará;
  • Quando você falhar como pai, peça perdão. Seja um modelo;
  • Não deixe de ser pai/mãe para ser apenas um amigo. Seja um pai/mãe amigo (a).

————————————————————–

Algumas informações históricas foram tiradas de:

http://entretenimento.r7.com/blogs/andre-barcinski/voce-sabe-quem-inventou-o-adolescente-20140918/

http://www.jewfaq.org/barmitz.htm

Idéias para a Devoção Pessoal dos Seus Filhos

Aqui estão algumas idéias práticas para ajudar seu filho a desenvolver uma vida de devoção pessoal com Deus. Não importa a idade e como fazem a devoção, sempre planeje um momento no fim do horário da devoção pessoal para compartilharem com você o que aprenderam e dizer como podem aplicar à vida deles de maneira prática.
Idade Pré-escolar:
1. Ouça a Bíblia sendo lida em CD (sem dramatização). Isso ajuda seu filho a ser guiado pelo Espírito Santo em vez da interpretação do homem. Peça que desenhe uma figura enquanto ouve o texto para ilustrar a história que ouviu.
2. Ouça CD de versos bíblicos em música – esta é uma grande maneira de gravar a Palavra de Deus na memória e no coração.
3. Leia uma história da Bíblia para ele e peça que pinte uma figura de acordo com a história.
4. Passe tempo diariamente com seus filhos, ensinando-os a orarem de modo que suas orações expressem seus sentimentos. Por exemplo:
“Ajuda-me a obedecer rapidamente e com alegria quando a mamãe ou papai me pedirem para ajudá-los”
Ajuda-me a sempre ser bondoso para o meu… irmão… irmã…”
“Obrigado pela querida família que o Sr. Me deu – meu papai, minha mamãe,…”
“Obrigado pelos amigos especiais que temos…” (Peça que digam os nomes).
“Obrigado por todas as coisas boas que o Sr. Nos dá – por favor, ajude as crianças que não têm muito a não passarem fome”. (Aqui você pode implementar a idéia do “cofrinho de abnegação”. Escolha uma entidade sem fins-lucrativos – ex. ADRA – e apadrinhe uma criança a cada mês com o dinheiro do cofrinho de abnegação de seu filho. Quando for ao mercado e seu filho quiser algo extra, relembre-o de seu amigo especial que não têm muito e pergunte se ele está disposto a negar aquilo e dar o dinheiro para ajudar seu amigo que precisa de roupa e alimento. Ao chegar em casa deixe seu filho colocar o dinheiro que teria gasto no cofrinho e todo mês retire-o e conte. Então escreva um cheque para a organização. Este é um bom modo de ensinar altruísmo e compaixão pelos outros. Não fique surpreso se seu filho o desafiar perguntando se você realmente precisa de certas coisas.)
Idade Escolar/Juvenil:
1. Peça ao seu filho que escolha um livro da Bíblia que gostaria de ler durante o momento de devoção pessoal. Você também precisa lê-lo para poder discutir a história e o que eles aprenderam de cada capítulo. Incentive-o a sublinhar a Bíblia com um código de cores personalizado para marcação da Bíblia.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Sugestão de Código de Cores
 
1.       Amarelo (luz) = Princípios que nos guiam em todos os aspectos da vida.
2.       Marrom (poeira) = Coração natural (o EU primeiro, meu jeito – coração longe de Cristo)
3.       Vermelho (sangue) = O amor e sacrifício de Deus, seu sofrimento por nós, seu sangue.
4.       Laranja (advertências) = Chamados e apelos de Deus ao meu coração.
5.       Azul (lei) = Minha parte – o que Deus que eu faça para cooperar, obediência.
6.       Pink (Sua justiça) = A parte de Deus, o que Ele fará por mim pessoalmente.
7.       Verde (princípios de obediência) = Caminhada de fé, crescimento cristão.
 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
2. Peça ao seu filho que leia um livro (Vida de Jesus, a história de algum personagem da Bíblia ou outro livro que ajude a construir o caráter, histórias reais da Bíblia). Peça que compartilhe com você o que está aprendendo e porque gostou daquilo. Observe-o durante o dia para ver se a mensagem está sendo aplicada à sua vida.
Adolescência:
1. Peça ao seu filho que escolha um assunto doutrinário (Ex., batismo, dízimo, autoridade da Bíblia) que tenham o desejo de entender melhor e faça um estudo completo na Bíblia comparando texto com texto.
2. Deixe seu filho escolher um assunto com o qual está sendo desafiado (Ex. música, amizades, entretenimento, influência, ou responsabilidade pelo que falam) e peça que pesquise na Bíblia para encontrar princípios e diretrizes que os ajude a tomar suas próprias decisões baseadas na Palavra de Deus – não baseada no que outros têm feito ou no que parece ser aceitável.
3. Peça ao seu filho que escolha para ler um livro baseado na Bíblia que seja apropriado para sua idade (Ex. Mensagens aos Jovens). Ajude-os a aplicar a leitura ao dia a dia.
4. Incentive seu filho (não importa a idade) a dizer durante o culto familiar o que aprendeu e por que deseja compartilhar com os outros. Isto ajuda a família a se interessar pelo crescimento espiritual um do outro, além de tornar o culto mais interessante.
Escrito por Alane Waters, do Restoration International. Usado com permissão.
 
Outras sugestões para crianças pequenas:

Um Anjo Mochileiro?

“Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos” Salmo 91:11.
O telefone tocou e eu acordei assustada. “Onde estou?…” Aos poucos comecei a me lembrar. Estava em um pequeno quarto de hotel no sul na Áustria. Havia participado de uma turnê com um grupo musical da faculdade. Meus colegas haviam saído de madrugada para o aeroporto e eu deveria tomar o trem para o sul da França onde faria um curso de verão na faculdade adventista. Apesar de estar empolgada com a oportunidade, naquele momento me senti muito só e com muito medo. Estava a milhares de quilômetros de casa em um país estrangeiro sem saber falar o idioma local. Fiz uma oração a Deus e pedi Sua companhia durante o dia e durante a viagem que estaria fazendo.
Eram cinco horas da manhã, a mesa de recepção havia me chamado, pois o taxi que me levaria à estação de trem em breve chegaria.
Arrumei minhas coisas e desci. Logo o taxi chegou. O motorista não falava inglês, que era o idioma que eu usava para me comunicar. Mostrei-lhe minha passagem de trem e ele começou a dirigir. Durante o caminho mil pensamentos passavam pela minha cabeça, “E se ele me levar para outro lugar? E se tentar me assaltar?” Logo Deus me acalmava e me lembrava que eu havia pedido sua companhia. Na época confesso que não percebia claramente Sua voz, era mais um sentimento de calma que vinha ao meu coração.
                Ao chegar à estação, logo vi os guichês de atendimento abertos, mas como ainda tinha cerca de uma hora e meia até o trem partir resolvi dar uma volta e conhecer o local. A estação era muito grande, havia várias plataformas e muitos trens parados. Caminhei de um lado para outro e quando faltava cerca de meia hora voltei ao guichê para saber em qual plataforma meu trem estava. Todos os guichês estavam fechados. “Que estranho.” Pensei. “Bem agora que os trens vão começar partir o guichê está fechado.” Eram 6:30 da manhã, esperei e os guichês não abriram. Andei mais um pouco, não havia muitas pessoas na estação e não encontrei alguém de uniforme para pedir informação. Olhei para o relógio, 6:45. Comecei a entrar em desespero, e orei, “Senhor, por favor, me ajude. Se eu não entrar no trem certo vai ser uma confusão total”.
                Olhei o painel na frente dos trens, havia nomes de cidades escritos, mas nenhuma era o nome da cidade para onde deveria ir. Agora estava realmente desesperada. Voltei aos guichês, ainda estavam fechados. Eu era um tanto tímida, mas tentei pedir ajuda e ninguém sabia me ajudar. Eu não entendia nada de alemão e nem conseguia entender olhando a passagem em que plataforma deveria me dirigir.
                Foi aí que uma mochileira se aproximou de mim. Uma jovem com roupas surradas, pele queimada de sol, olhos claros, cabelos cacheados e uma enorme mochila nas costas com tudo que se pode imaginar pendurado por fora. Era bem típica dos mochileiros que já tinha visto durante a viagem. Ela sorriu e começou a conversar em alemão. Disse-lhe que não falava alemão e perguntei se falava inglês, ela disse que não. Mostrei minha passagem e lhe disse que precisava encontrar o trem. Ela percebeu meu desespero, pois saiu rapidamente olhou os trens e acenou para mim. Andamos até o meio da longa plataforma, ela abriu uma das portas do trem e chamou um comissário que olhou minha passagem e pediu minhas malas. O trem já estava ligado, eu sabia que estava atrasada e pela expressão dos dois o trem já estava para partir. Dei ao comissário minhas duas malas, e me virei para agradecer a mochileira…
Não tinha ninguém ao meu lado!… Isso mesmo, ninguém! Olhei para os dois lados da plataforma. Ela era longa, era impossível que ela tivesse corrido e saído de vista. O comissário me chamou para dentro e antes que chegasse ao meu lugar o trem começou a andar. Sentei-me rapidamente perto da janela e fiquei olhando para fora procurando minha auxiliadora. Olhei para todos os lados enquanto o trem saia, mas não a vi em parte alguma. Mil e uma coisas passaram pela minha mente, “será que ela entrou em outro trem?” Mas o trem ao lado estava desligado e ninguém parecia estar nele. “Será que ela está neste trem?” Quando tive oportunidade andei pelos vagões, mas não a encontrei. Passei as primeiras horas da viagem impressionadíssima com o que ocorrera.
                Bom, o tempo passou, e aquele fato continuou bem vivo em minha mente. Todas as vezes que me lembro daquela moça sempre vem uma pergunta à minha mente, “Será que era um anjo?”. Sinceramente, eu não sei se era um anjo, mas sei de uma coisa, foi uma providência de Deus. Eu pedira Sua companhia e Ele estava comigo.
                Já me perguntei muitas vezes, “Por que Deus me permitiu passar por aquela experiência?” Na época em que isto ocorreu, eu me considerava uma jovem cristã, era muito ativa na igreja, mas não tinha um relacionamento pessoal com Deus. Deus normalmente fazia parte da minha vida em momentos como aquele, de desespero. Quando não sabia mais o que fazer, me lembrava dEle.
                Durante as semanas que passei na França fui muitas vezes tentada a me desviar dos caminhos de Deus. Enfrentei praticamente todos os tipos de tentações comuns a uma jovem. Mas aquela experiência na estação de trem me deu um senso maior da presença de Deus ao meu lado. Senti que era especial para Ele. Senti que se preocupava comigo e me amava muito e não tive coragem de magoá-Lo fazendo coisas que sabia serem contrárias à Sua vontade. Com certeza Deus sabia que eu passaria por tentações e usou aquele incidente para fortalecer minha fé.
                Deus nos ama! Ele demonstra o Seu amor por nós nos dando vida, saúde e tudo que precisamos. Ele demonstra o Seu amor por nós nos oferecendo salvação em Jesus Cristo. Ele demonstra o Seu amor por nós enviando o Espírito Santo para que nos ensine e oriente em todo momento (se assim o permitirmos) e como se não bastasse Ele demonstra o Seu amor dando um anjo exclusivo a cada um de nós. Um anjo que esteve conosco nos primeiros momentos de vida e a cada momento até aqui. E se precisarmos mais, Ele envia anjos adicionais cada vez que clamarmos.
Como diz Ellen White: “Não compreenderemos o que devemos aos cuidados e interposição dos anjos antes que se vejam as providências de Deus à luz da eternidade. Seres celestiais têm tomado parte ativa nos negócios dos homens. Eles têm aparecido em vestes que resplandeciam como o relâmpago; têm vindo como homens, no aspecto de viajantes. Têm aceito hospitalidade nos lares humanos, agido como guias de viajantes nas trevas da noite. Têm impedido aos intentos do espoliador e desviado os golpes do destruidor.” Educação, p. 304, 305.
                Eu quero um dia conhecer meu anjo. Quero que ele me conte sobre os momentos em que salvou minha vida, me ajudou a enfrentar dificuldades. Quero agradecer-lhe por ter sido meu amigo em todas as horas, mesmo quando eu ignorava sua presença. E você?
                Você tem percebido as providências especiais de Deus em sua vida? Você tem sentido a presença do seu anjo de um modo especial? Lembre-se sempre que ele está ao seu lado, cuidando de você e cumprindo as ordens do nosso bondoso Pai.
Que Deus lhe abençoe!