Você realmente compreende o que é perdão? Compartilho um texto que me fez pensar muito sobre isso recentemente…

Eu pensei que compreendia o perdão.
Então o grito angustiante de um herói com o coração partido me inundou primeiro de admiração, depois de esperança.
Maanaim, Terra da Promessa.
Um Rei e um pai esperam notícias da batalha, da segurança do portão da cidade.
Finalmente avista alguém correndo. Os passos diminuem. O rei precisa saber o estado da nação. O pai almeja saber o estado de seu filho.
O relatório chega, sem fôlego.
O rei ouve. O pai espera… Então:
– Mas, e o meu menino??
– O que o Sr. disse? Que menino? O Sr. Quer dizer aquele que matou seu filho mais velho? Aquele bárbaro sanguinário que tentou roubar tudo que tinha, inclusive a coroa? Aquele que hoje mesmo fez uma campanha para acabar com a sua vida? Aquele menino?
Aquele que lenta e dissimuladamente colocou seus amigos contra você? Transformou sua influência em cinzas? Envergonhou-lhe?  Difamou seu caráter diante de seus conselheiros? Acabou com cada fio de confiança que havia em seu reino? Aquele menino?
Aquele que conquistou o coração dos maiores talentos, das maiores belezas e habilidades do reino? Despedaçou sua família, então riu da sua tristeza? Aquele menino?
– Sim. Exatamente, aquele menino.
E quando o rei-pai ouve que seu filho morreu, seu coração se parte em mil pedaços.
Ele começa a soluçar; procura um lugar para esconder sua aflição.
A torre vigia acima do portão serve de esconderijo. Ele tropeça nas ásperas pedras da escada feita apenas para soldados. Mensageiros sem fôlego e guardas valentes observam enquanto ele sobe, e o ouvem dizer:
“Meu filho Absalão, meu filho, meu filho, Absalão! Quem me dera que eu morrera por ti, Absalão, meu filho, meu filho! (2 Samuel 18:33).
————————
Meus olhos se enchem de lágrimas ao ler estas palavras.
Senhor da Glória, me ensine a perdoar…
Não me compreenda mal. Sou conhecido como um homem misericordioso. Mas isto desafia as barreiras do meu dever de consciência. Como pode….?
Não é complicado:
“O perdão é simplesmente amor, mais forte.”
Mais forte que a morte.
Estou falando de verdadeiro amor…
Até poucos dias o perdão era mecânico em minha mente. Simplesmente uma liberação de ódio. Quase que uma indiferença dizendo: “Eu estou bem, você está bem. Não estou magoado com isso.”
Mas o perdão não termina ao se liberar o ódio. Precisa abraçar o amor. Amor verdadeiro.
Posso sentir o coração aflito de leitores que nunca farão um comentário sobre esta postagem. Corações que choram porque confiança foi quebrada, vergonha foi passada. Sinto lágrimas, mesmo no escuro. Sua alma afunda, porque a mágoa foi muito mais profunda do que posso compreender.
Eu não tenho a intenção de compreender completamente, mas meu coração pulsa com você. Também não sou tão ingênuo de crer que a cura é tão rápida ou simples como uma escolha.
Tenho um mestrado em Psicologia e conheço e amo mais pessoas de coração quebrado do que muitos jamais conhecerão durante a vida.
Mas, por favor… Por favor, meu amigo! Escute-me… e então fale a cada pessoa magoada que você conhecer.
Quer você tenha sido difamado, desrespeitado, envergonhado, violentado, explorado, roubado, esmagado, e então ridicularizado…
Lembre-se:
Davi foi ferido por seu próprio sangue. Sua família. E são os que estão mais próximo que possuem o maior potencial para nos ferir, assim como para nos sarar.
Mas Davi tinha amor. Amor, mais forte.
E o amor é para ser livre.
Fale, sim fale isto ao mundo que sofre…
Escrito por Sean Nebblett. Traduzido do blog http://www.seannebblett.com. Publicado com permissão.
Amor, Mais Forte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *