Confesso que por muito tempo eu tinha não apenas medo, mas pavor da morte. Qualquer coisa que acontecia, como uma doença, me deixava muito preocupada. Se meu esposo viajava, ou se eu suspeitava de algum problema de saúde com minhas filhas, já era razão para eu ficar preocupada.

Esse “medo” chegou a um ponto que entendi que não era normal. Comecei buscar a Deus quanto a isso e entendi que era simplesmente falta de confiança nEle. Deus não deseja o nosso mal, nunca. Ele deseja que vivamos e que vivamos em abundância. É por isso que nos dá instruções e regras para uma vida saudável.

É bem verdade que Ele permite, e vai permitir que muitos passem pelo sono da morte, e no Céu nós vamos entender porque. Para Ele o que mais importa não essa vida aqui no mundo, imperfeita, triste e cheia de problemas, mas a vida eterna com Ele no Céu

Quando comecei a entender isso, também comecei a perder o medo. A quase um ano atrás, Deu permitiu que eu passasse por uma situação onde vi a morte de perto (leia aqui) e esta experiência também confirmou para mim que a morte, apesar de ser triste e não ser o que Deus deseja para nós, é também passageira para os filhos de Deus.

Esses dias fui a um funeral e creio que Deus me mostrou algumas coisas mais profundas ainda.
Um casal, muito querido que faz parte da nossa comunidade, perdeu seu filho para um doença que o afligia a mais de um ano. Apesar de sabermos que ele sofria já a um bom tempo, sua morte foi uma surpresa tanto para a família como para nós, pois acreditávamos que ele poderia se recuperar.

Fiquei muito triste ao receber a notícia pois, sua mãe já tinha compartilhado comigo o quando o amava e como tinha se dedicado para lhe oferecer a melhor educação possível durante sua infância e juventude. E como mãe, logicamente, meu coração doeu em pensar o quanto ela deveria estar sofrendo com sua perda.

Mas algo me surpreendeu muito ao participar do funeral e enterro do rapaz. Para começar tudo era muito simples. Um pequena cerimônia foi realizada no próprio cemitério com muitos amigos e após. Houve uma pequena mensagem do pastor, todos cantaram os hinos preferidos do rapaz e algumas pessoas compartilharam testemunhos de experiências que tiveram com ele.

Mas minha maior surpresa foi ver a reação dos pais… Naquela tarde, cerca de uma hora antes do enterro, eu passei perto da casa da família e vi ao longe que a mãe estava sentada na frente da casa, olhando em direção ao por do sol. Aquilo me impressionou muito. Ela parecia estar lendo a Bíblia e orando, buscando forças em Deus. E pude comprovar, no funeral, que ela realmente tivera um encontro especial com Deus. Tanto ela como o esposo estavam muito confortados, apesar do rapaz ter morrido naquele mesmo dia. Nenhum dos dois estava chorando desesperado, estavam em paz e parecia que Alguém os estava sustentando. Parecia não, com certeza Deus os estava sustentando de maneira sobrenatural.

Dois dias depois, no culto de sexta-feira na igreja o pai do jovem deu um lindo testemunho, falando de como Deus tinha mostrado para eles a razão daquela morte súbita e da esperança que tinham na volta de Jesus. Percebi então que eles realmente estavam segurando a mão de Deus naquele momento difícil e a paz de Deus se tornara real para eles.

Fiquei meditando por dias naqueles acontecimentos… na reação dos pais, na simplicidade do enterro. Aquele casal realmente acredita que Jesus está bem perto de voltar, por isso, fizerem um enterro  simples, apenas o necessário, e escolheram focalizar na esperança da volta de Jesus e no reencontro.

Muitas vezes, quando perdemos uma pessoa querida. Apesar de alegarmos ter esperança na volta de Jesus, choramos desesperadamente e sentimos a perda da pessoa como se nunca mais fôssemos encontrá-la. E por vezes até nos recusamos a aceitar que talvez aquela morte, de alguma maneira, trará glória a Deus. Mas Deus deseja que olhemos além, Deus deseja que estejamos tão cheios de esperança, que reajamos como se Ele fosse voltar na semana seguinte. E quanto à dor e a saudade? Jesus nos prometeu: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo à dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27) e nós precisamos segurar com todas as forças nessas palavras e clamar esta promessa de Jesus.

Nota: Depois de escrever este texto descobri um texto de Ellen White muito pertinente a este assunto e coloco aqui como sugestão de leitura adicional. Veja este link:

Como Enfrentar a Perda de Entes Queridos

 

 

A Morte Assusta Você?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *